Camaleão é o título do novo álbum de Leo Quintella, que chega hoje às plataformas de música.

Álbum completo apresenta várias facetas do cantor, compositor e instrumentista. Lançamento será com show presencial no Blue Note em São Paulo, dia 20 de outubro

 

Ouça o single: https://orcd.co/camaleao

 

Assista ao vídeo de Camaleão : https://youtu.be/tGPlr0H96U8

 

Por Chris Fuscaldo, jornalista e biógrafa

 

Chamam de “camaleão” aquele que circula por diversos meios e se adapta a todo tipo de situação. Algumas linhas da Psicologia reconhecem essa capacidade como uma maturidade do ser humano. A metáfora veste como uma luva o trabalho do cantor, compositor e multi-instrumentista paulistano Leo Quintella, que chegou no mercado profissional mostrando que sua música é diversa e transmite o equilíbrio de seu autor. Ele já lançou os singles Jangada (ijexá repaginado), Slowmotion Cameraman (folk moderno) e a releitura de Meu Sangue Ferve por Você (mistura house e disco music), nessa ordem, e agora chega às plataformas digitais com as outras faixas de Camaleão. O álbum é o resultado das múltiplas influências desse artista que é moderno e retrô ao mesmo tempo, ouve de tudo e transforma todas as experiências em melodia boa e letra inteligente.

 

“Minhas músicas trazem as percepções que tenho. Minha composição é uma busca incessante por encontrar a mim mesmo”, avisa ele.

 

Além de nome do álbum, Camaleão é também a quarta faixa e representa a versatilidade de Leo Quintella para a composição e para a vida: “Me desculpa se eu mudo de cor / Troco o meu sentido, troco o meu amor / É que eu sou tipo um camaleão / Que corre sem juízo numa direção”, canta ele sobre uma melodia simples – mas que pega o ouvinte – ao estilo Paul McCartney, um de seus ídolos. Não é sempre assim que acontece, mas Camaleão parece ter sido psicografada e, de tão natural, resume a história de Leo Quintella: “Eu me escondi demais na vida e agora eu vou me achar”, canta ele em um outro trecho.

 

A música apareceu em sua vida na adolescência, quando descobriu os Beatles e ganhou uma guitarra de um dos irmãos. Na faculdade, reconheceu seu próprio valor quando sua primeira canção viralizou: depois que compôs Menina, trazida agora para o disco, Leo Quintella passou a gostar de administrar sua própria criatividade – por sinal, muito elogiada pelo cantor Sidney Magal depois do lançamento do clipe de Meu Sangue Ferve por Você. “Esse reconhecimento, em 2014, fez com que eu me sentisse renascendo. O hábito de compor ao violão passou a fazer parte da minha vida”, conta Leo, que adorou a nova roupagem de Menina, dançante e charmosa, inspirada em Gilberto Gil e produzida por Juliano Cortuah no NAVE 33 Studio.

 

Assim como Bob Dylan, Beatles, Rolling Stones, David Bowie e The Doors, Gil e outros ícones da música brasileira são forte inspiração do artista. Seu trabalho dialoga também com nomes contemporâneos, como Tim Bernardes, Gilsons e Silva. O violão brasileiríssimo poderia contrastar com as roupas de inverno que Leo adora usar, mas ele não tem preconceitos: ouve (e compõe) rock, funk, country, samba e o que vier. O timbre vocal de Leo Quintella, assim como a “retro modernidade” que sua imagem apresenta, é o que faz suas faixas dialogarem entre si e seu trabalho ter uma unidade.

 

A facilidade para a composição é fruto de uma capacidade de criação que ele carrega desde a infância, quando ainda montava grandes negócios com caixas de sapato e brincava de idealizar logomarcas, personagens e até diálogos. “Eu sempre fui criativo. Gostava de contar histórias, de desenhar”, lembra Leo, que herdou do avô o gosto pelo jazz, da mãe a bossa nova e a MPB, do pai a música clássica e dos irmãos o rock. Prédios de Papel, nona faixa do álbum, vem com a herança de quem também aprendeu em casa a pensar no outro: “Um amigo trabalhou no projeto Um Teto para o Meu País, que construía casas populares para sem tetos. Ele ia pintar e eu ia junto, levando comida, violão… Meu pai era envolvido com questões do meio ambiente, e eu trabalhei com ele. Essa música é sobre tudo isso”.

 

Eu Vi Você Mudar de Cor já traz a perspectiva de Leo Quintella sobre religiosidade: “O céu que trouxe à tona as novidades / que fazem essa gente evoluir”, canta ele. Já Ritmo é uma bela e envolvente canção de amor composta para uma namorada e inspirada nos anos de vai e vens. Qualquer Coisa Boa também é sobre o amor, e o título já diz tudo. Festa encerra o álbum em ritmo dançante, misturando rock, soul e MPB. A faixa foi resgatada do repertório de shows de Leo por ser a mais pedida quando ele está nos palcos. Foi composta em uma escaleta e conecta o músico de hoje ao artista de antes, em formação.

 

Camaleão é uma boa analogia ao próprio Leo Quintella, que não segue um estilo único, tem várias influências, passeia por vários gêneros musicais, adora ler biografias (Nelson Motta, Zuza Homem de Mello e Ruy Castro estão entre seus favoritos) e mistura tudo isso de forma criativa e original.

 

 

 

 

 

 

Com informações: Assessoria Biscoito Fino – Coringa Comunicação