ANGEL OLSEN anuncia Whole New Mess, o novo álbum chega em 28 de agosto via Jagjaguwar

Cantora fará livestream do álbum em sua série Cosmic Stream

 

Assista ao vídeo de “Whole New Mess”

 

 “Eu havia passado por uma separação, mas foi muito maior que isso – também perdi amizades. Quando você sai de um relacionamento, precisa examinar quem você é ou era em todos seus laços. Eu queria gravar quando ainda estava processando esses sentimentos. Essas são as perspectivas pessoais, encapsuladas em um momento.” – Angel Olsen.

 

Angel Olsen anunciou Whole New Mess, o primeiro álbum solo desde seu debut; o novo disco chega no dia 28 de agosto via Jagjaguwar. Um retrato emocional íntimo e confessional que mostra sua luta com um período de tensão, Whole New Mess apresenta Olsen cantando através de suas feridas ainda abertas com apenas guitarras e microfone, isolada em uma igreja centenária numa pequena cidade no estado de Washington. Em conjunto com o anúncio, Olsen apresentou o single “Whole New Mess”, com um vídeo dirigido pela colaboradora Ashley Connor e se apresentou  no The Tonight Show Starring Jimmy Fallon. Além disso, ela anuncia o Cosmic Stream 3, a terceira parte de sua série de livestream, que irá ao ar na data de lançamento do álbum diretamente do Hazel Robinson Amphitheatre em Asheville, Carolina do Norte.

 

Whole New Mess sucede ao All Mirrors, a grande obra-prima de Olsen (um dos 10 melhores discos elogiados pela crítica em 2019). Pelo menos nove das onze músicas do Whole New Mess devem soar familiares para quem já ouviu o All Mirrors. “Lark,” “Summer”, “Chance” estão no disco, de alguma forma estrutural e com títulos ligeiramente diferentes. Mas essas não são as demos do All Mirrors. Em vez disso, Whole New Mess é um disco novo com sua própria atmosfera. Se os arranjos orquestrais e o alcance cinematográfico de All Mirrors são o som de Olsen expondo suas cicatrizes ao mundo, Whole New Mess é o som de sua primeira descoberta, compreendendo essas suas dores.

 

Para gravar Whole New Mess, Olsen pediu uma recomendação de estúdio ao engenheiro de som da Electro-Vox e ao profundo espírito de Michael Harris. Ela queria encontrar um espaço onde, como ela diz, “existe vulnerabilidade”. Eles escolheram a The Unknown, a igreja que Phil Elverum de Mount Eerie e o produtor Nicholas Wilbur converteram em um estúdio na pequena cidade de Anacortes, Washington. Anacortes atuaria como uma espécie de porto para Olsen, limitando as distrações enquanto ela tentava se situar imersa nessas músicas. “Nunca tinha ido ao The Unknown, mas sabia sobre a energia dele. Eu queria me sentar com o material e estar com ele de uma maneira que parecesse uma residência”, diz Olsen. “Eu não precisava de muito, pois era apenas eu e uma guitarra. Mas queria tentar coisas diferentes.” No final de outubro de 2018, antes da gravação do All Mirrors, Olsen e Harris viveram 10 dias lá e construíram um ritual diário de tomar café todas as manhãs em uma livraria próxima. Subiram pelo Mount Eerie, visitaram parques e passearam pelas ruas vazias de Anacortes sob a lua cheia. Mas, principalmente, as sessões foram casuais, relaxadas e silenciosas, permitindo a Olsen o espaço para explorar completamente esses sentimentos.

 

 

Os resultados são surpreendentes, de alguma forma sinceros e pessoais ao mesmo tempo. A faixa-título – uma das duas músicas aqui que não apareceram no All Mirrors – é uma visão do quão mal Olsen ficou e quão difícil foi o processo de se recompor, especialmente quando ser artista pode significar transformar suas emoções no entretenimento de outra pessoa. “Oh, I’ll really do the change”, ela repete no início e no final, com a voz trêmula enquanto tenta comprar esse mantra. “A realidade é que os artistas nunca estão em casa, por isso é difícil encontrar saúde, mente clara e um alicerce”, diz Olsen. “A música é uma nota mental para tentar manter a sanidade, manter-se saudável, lembre-se de respirar onde quer que esteja, porque não há como esperar voltar para casa.”

 

Considerado associado ao All Mirrors, Whole New Mess é um lembrete comovente e pujante de que as músicas são mais do que meras coleções de palavras, acordes e até melodias. São teias da atmosfera, momentos e ideias, qualidades que podem mudar de um mês para o outro e podem dizer tanto quanto uma progressão perfeita ou um acorde requintado. Nesse sentido, essas 11 músicas – solitárias e francas perspectivas sobre o que é amar, perder e sobreviver – são totalmente novas. Esse é o som de Angel Olsen, classificando os problemas que todos conhecemos, como se fosse só para ela e para quem mais precisasse.

 

Assista ao vídeo de Angel Olsen, “Whole New Mess”

 

Pré-venda de Whole New Mess

 

Compre ingressos para o Cosmic Stream 3

 

 

Whole New Mess Tracklist

 

1. Whole New Mess
2. Too Easy (Bigger Than Us)
3. (New Love) Cassette
4. (We Are All Mirrors)
5. (Summer Song)
6. Waving, Smiling
7. Tonight (Without You)
8. Lark Song
9. Impasse (Workin’ For The Name)
10. Chance (Forever Love)
11. What It Is (What It Is)

 

Angel Olsen online:

 

Official Website  | Facebook | Twitter  | Instagram

 

Informações  à imprensa: Catto Comunicação