Assucena lança “LUSCO-FUSCO”, primeiro álbum da carreira solo

A cantora e compositora, que foi duas vezes indicada ao Grammy Latino com sua antiga banda “As Bahias e a Cozinha Mineira”, estreou sua carreira solo no final de 2021 com projeto em homenagem à Gal Costa. Nesta nova fase, revela todas as suas cores e cantos num álbum marcado pela brasilidade, pela diversidade de ritmos e pelo diálogo entre a tradição e o contemporâneo.

 

Ouça “LUSCO-FUSCO” aqui: Assucena: Lusco-Fusco (altafonte.com)

 

Inspirada pelas paisagens coloridas que pintam o céu durante o lusco-fusco e pela diversidade de gêneros e estéticas que compõem a música popular brasileira, a cantora e compositora Assucena lança, no próximo dia 29 de setembro, sexta, seu primeiro álbum solo, o “LUSCO-FUSCO”. O álbum, distribuído digitalmente pela Altafonte Brasil, conta com a produção musical de Pupillo e Rafael Acerbi e direção artística da própria Assucena, ao lado da cantora Céu.

 

Composto por dez faixas autorais, “Lusco-Fusco” foi construído narrativamente a partir do degradê de cores, luzes, emoções e temáticas que marcam as transições do dia para a noite e da noite para o dia. Ou, como recita Assucena na vinheta “Meeira”, do “breu para a luz/ da luz para o breu”. A partir das transformações que permeiam sua história pessoal e seu universo particular, Assucena canta a diversidade de brasis e provoca reflexões sobre amor, afetividades e política. “A ideia foi falar sobre os mais diversos processos de transição: no amor, na vida, no que se refere às identidades de gênero, às descobertas do mundo, aos ciclos da vida”, conta ela.

 

“Lusco-Fusco” é um disco colorido, que passeia pela música popular brasileira em toda sua diversidade. As faixas têm participações especiais como a percussão e o cavaquinho de Pretinho da Serrinha (“Menino Pele Cor de Jambo”); os teclados e sintetizadores de Hervé Salters (“Nu”); o piano de Rafael Montorfano, conhecido como Chicão (“Quase da cor dos seus olhos” e “Reluzente”) e o acordeón de Lulinha Alencar (“Enluarada”).

 

A cantora Céu divide a direção artística com Assucena das faixas “Menino Pele Cor de Jambo”, “Nu“, “A última quem sabe” e “Manhoso demais”. E, dentre as dez composições autorais, Assucena divide a parceria de uma delas, “Ad Aeternum”, com o cantor pernambucano Paulo Netto.

 

“Meu primeiro álbum autoral trará uma reflexão sobre o Brasil contemporâneo e sobre o meu corpo como território político nessa mátria que tem a brasa como radical de seu nome. Tem como princípio discutir as TRANSições, as TRANSformações, as TRANSmutacões: a brasa tanto como o momento da ascensão quanto de extinção do fogo. Nasce de minhas necessidades de comunicar existências, afetos, desilusões e demandas de pessoas trans e travestis”, revela Assucena.

 

Sobre o processo de construção desse primeiro álbum solo, ela explica que, “ao questionar e desnaturalizar o que a cultura determinou como natureza, proponho, de maneira provocativa, novas linguagens, discursos e estéticas para falar de amor, comportamento e política”. Neste sentido, Assucena explora um caminho estético sonoro que conversa com nossa tradição e nossa contemporaneidade para apontar a TRANSformação dos espaços, dos tempos e das ideias. Por isso, cruza barreiras musicais e se constrói como uma metáfora sonora em TRANSE, entre o samba e o rock, entre o blues e o baião, entre o pop contemporâneo e o arrocha. Lusco-Fusco nasce do degradê de cores, sonoridades e narrativas, desse colorido de expressões da minha verdade e da minha identidade. Representa, ainda, a transição e a aurora de uma nova fase artística. Que venha nossa TRANScendência!”, deseja Assucena.

 

A artista iniciou o processo de lançamento de seu álbum com o single “Menino Pele Cor de Jambo”, em novembro de 2022. O segundo single, “Nu”, foi lançado na primeira semana de março de 2023; e o terceiro, “A última, quem sabe”, no início de setembro.

 

Depois de seis anos de muitas conquistas como uma das idealizadoras da banda As Bahias e a Cozinha Mineira, incluindo dois Prêmios da Música Brasileira e duas indicações ao Grammy Latino, Assucena iniciou sua carreira solo em 2021 com “Rio e também posso chorar”, show-homenagem à Gal Costa que se transformou em um tributo à artista que mais influenciou sua formação artística. Em paralelo ao processo de produção de seu primeiro álbum autoral solo, a artista também estreou no teatro com a peça “Mata teu pai, Ópera-balada”, com texto de Grace Passô e direção de Inez Viana, e com a qual foi indicada ao Prêmio Shell de Teatro 2023 como melhor atriz.

 

E antes das músicas desse álbum, Assucena lançou em 2022 os primeiros singles da carreira solo: a canção autoral inédita “Parti do Alto” e uma releitura-homenagem de “Ela”, gravada por Elis Regina há 50 anos.

 

Mais novidades da artista clique aqui:  Assucena(assucenaassucena) – Latest Music, Videos Links (linktr.ee)

 

Faixa a Faixa

 

01 – Menino Pele Cor de Jambo: canção que nasce do sol, a estrela mãe de toda cor. É daí que vem a cor desse menino. É um samba-rock com uma pegada de samba-reggae.

 

02 – Fluorescente: uma saída do armário para viver a vida. Entre o samba, o rock, o eletrônico e o funk. Tudo se mistura.

 

03 – Nu: canção progressiva que traz o funk de forma minimalista entre beats e guitarras. É um lusco-fusco artificial e privado, enquanto dois corpos se reconhecem à meia luz do abajur.

 

04 – Quase da Cor dos seus Olhos: um duo de piano e voz a compartilhar uma dúvida cruel, um pensamento alto: “Seus olhos verdes quase teimam me fazer amar”. Um drama interno com a questão: quem nunca teve o medo de amar novamente?

 

05 – Reluzente: vem de um sonho, de um amor que renasce dos escombros; da morte pra vida, como uma fênix. Um blues romântico, mas também filosófico, cheio de luz.

 

06 – Meeira: uma vinheta gravada à capela. Ela traz o conceito do disco como questão. O lusco-fusco é um meio, uma transição assim como os crepúsculos.

 

07 – A Última, Quem Sabe: uma seresta, um arrocha, um bolero. Às vezes um ultimato é importante: “eu só sei é que eu quero é que você seja sincero”. Um pedido de sinceridade. Essa canção vem de Brasis profundos.

 

08 – Manhoso Demais: depois de uma madrugada ardente vem o gato ronronando entre a mania e o afeto. A declaração de amor, a mar, a bossa dedilhada pela violação a voz e a apoteose do sexo.

 

09 – Ad Aeternum – uma reflexão acerca da circularidade da vida. O sol tomando sua centralidade no sistema solar; e essa circularidade se espelha no cotidiano da vida. O pop vem como a cereja do bolo desse arranjo.

 

10 – Enluarada: – é uma festa; é uma convocação. É o baião com uma sanfona vindo anunciar um Brasil machucado, mas cheio de esperança. A festa de quem nunca viu, acontecerá.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: Debs Comunicação

#SIGA NO INSTAGRAM
Rocksoulblues no @sesc14bis 

Lançamento do novo álbum do cantor Nasi @oficialnasi 

Vídeo: Jailson /Produção Boomerang Music 

#nasi #rocksoulblues #sesc14bis #boomerangmusic
Hoje (11/04), é aniversário da cantora e compositora Lisa Stanfield @lisajstansfield que completa 58 anos.

#lisastanfield #happybirthday #boomerangmusic
Hoje (11/04), é aniversário do cantor, compositor e baixista Pit Passarell @oficialpitpassarell da banda Viper @viper_brazil que completa 56 anos.

#pitpassarell #happybirthday #viper #boomerangmusic
Hoje (11/04), é aniversário do cantor e compositor Zeca Baleiro @zbaleiro que completa 58 anos.

#zecabaleiro #happybirthday #MPB #boomerangmusic
Hoje (08/04), é aniversário do cantor e compositor Leoni @leonioficial que completa 63 anos.

Foi integrante da bandas Kid Abelha e Heróis da Resistência.

Sábado e domingo (13 e 14/04), tem show no Sesc Avenida Paulista @sescavpaulista pra comemorar.

#leoni #happybirthday #sescavenidapaulista