César Menotti e Fabiano lançam versão do clássico “O Astronauta de Mármore”

Sucesso dos anos 80, a canção faz parte do projeto “Os Menotti in Orlando”

 

César Menotti e Fabiano disponibilizam hoje (05), em todas as plataformas digitais, a releitura de um grande sucesso. “O Astronauta de Mármore”, da banda Nenhum de Nós. O clipe da faixa também foi lançado hoje e está disponível no canal oficial de vídeos da dupla no YouTube.

 

Sucesso nos anos 80, a música trazia referências de “Starman”, clássico do cantor David Bowie. Agora, César Menotti e Fabiano apresentam sua versão, com novos arranjos no ritmo sertanejo, inserindo os tradicionais acordes da sanfona.

 

“A gente gosta de passear por outros estilos e principalmente trazer as nossas versões de alguns clássicos. No DVD que gravamos no Morro da Urca, em comemoração aos 10 anos de carreira, incluímos a música “Será”, do Legião Urbana, e o resultado ficou muito bom. Agora, trouxemos “O Astronauta de Mármore”, canção que marcou uma geração”, diz Fabiano.

 

“Até hoje essa canção permanece atual. Quando colocamos no repertório do DVD, a intenção era compartilhar essa nostalgia junto do nosso público”, completa César Menotti.

 

O clipe de “Astronauta de Mármore” traz imagens captadas em uma viagem de motorhome por cidades dos Estados Unidos. O registro foi lançado no projeto “Os Menotti in Orlando”, sexto DVD da dupla.

 

 Confira:

 

https://www.youtube.com/watch?v=Mnj2qwurLYk

 

O Astronauta de Mármore

A lua inteira agora é um manto negro

O fim das vozes no meu rádio

São quatro ciclos no escuro deserto do céu

Quero um machado pra quebrar o gelo

Quero acordar do sonho agora mesmo

Quero uma chance de tentar viver sem dor

Sempre estar lá

E ver ele voltar

Não era mais o mesmo

Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá

E ver ele voltar

O tolo teme a noite

Como a noite vai temer o fogo

Vou chorar sem medo

Vou lembrar do tempo

De onde eu via o mundo azul

A trajetória escapa o risco nu

As nuvens queimam o céu nariz azul

Desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu

Na lua o lado escuro é sempre igual

No espaço a solidão é tão normal

Desculpe estranho, eu voltei mais puro do céu

Sempre estar lá

E ver ele voltar

Não era mais o mesmo

Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá

E ver ele voltar

O tolo teme a noite

Como a noite vai temer o fogo

Vou chorar sem medo

Vou lembrar do tempo

De onde eu via o mundo azul

Estar lá

E ver ele voltar

Não era mais o mesmo

Mas estava em seu lugar

Sempre estar lá

E ver ele voltar

O tolo teme a noite

Como a noite vai temer o fogo

Vou chorar sem medo

Vou lembrar do tempo

De onde eu via o mundo azul

 

Assessoria de Imprensa – Textos + Idéias

#SIGA NO INSTAGRAM