Confira a agenda do Sesc Belenzinho de fevereiro/2020

Confira a Programação do Sesc Belenzinho – mês de fevereiro/2020

 

Dia 1 | SÁB

21h – Marcos Valle (Teatro)

21h30 – Dexter (Comedoria)

 

Dia 2 | DOM

18h – Marcos Valle (Teatro)

 

Dia 7 | SEX

21h – Banda Cigana (Teatro)

21h30 – Chimarruts (Comedoria)

 

Dia 8 | SAB

21h- Hurtmold (Teatro)

21h30 – Davi. Participação Urias (Comedoria)

 

Dia 9 | DOM

18h – Celso Pixinga Quartet (teatro)

 

Dia 14 | SEX

21h – Música de Montagem (Teatro)

21h30 – Biro do Cavaco e Cleverson Luiz (Comedoria)

 

Dia 15 | SAB

21h- Nara Couto (Teatro)

21h30 – Affront (Comedoria)

 

Dia 16 | DOM

18h – Renato Gama (Teatro)

 

Dia 21 | SEX

21h – Igor Prado Band (Teatro)

21h30 – Carne Doce (Comedoria)

 

Dia 22 | SAB

18h – Johnny Hooker (Teatro)

 

Dia 23 | DOM

18h – Johnny Hooker (Teatro)

 

Dia 28 | SEX

21h – Vitor Ramil (Teatro)

21h30 – Mc Tha (Comedoria)

 

Dia 29 | SAB

21h – Marina Mello (Teatro)

21h30 – Mc Tha (Comedoria)

 

Dia 1/3 | DOM

18h – Edu Gomes (Teatro)

 

SINOPSES

MARCOS VALLE

Dias 1 e 2 de fevereiro de 2020. Sábado, 21h e domingo, 18h

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada).  R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Local: Teatro (364 lugares).

Recomendação etária: 12 anos

Duração: 90 minutos

 

Show de relançamento em vinil do álbum Previsão Do Tempo (1973), o décimo da carreira do cantor e compositor carioca, que traz a fusão da bossa nova com o samba, o jazz, o soul, o funk e o rock. A apresentação conta com Marcos Valle (fender rhodes e voz), Patrícia Alví (vocal), Alberto Continentino (baixo), Renato Massa Calmon (bateria), Paulinho Guitarra (guitarra e violão), Donatinho (teclados) e Jessé Sadoc (trompete).

 

Previsão do Tempo foi produzido por Milton Miranda e traz 12 faixas autorais. Nas gravações da época, ele teve a companhia do trio Azymuth, formado por José Roberto Bertrami (teclados), Alex Malheiros (baixo) e Ivan Conti “Mamão” (bateria). As canções Flamengo Até Morrer e Samba Fatal foram registradas com o grupo O Terço. O disco também tem a música Os Ossos do Barão, com arranjos de Waltel Branco.

 

DEXTER

1 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 18 anos

 

Marcos Fernandes de Omena nasceu no dia 17 de agosto de 1973. Em 1990, veio Snake Boys, seu primeiro grupo de rap que ficou conhecido na região do ABC paulista. No ano seguinte, adotou o apelido de Dexter após ler a biografia de Martin Luther King: Dexter era o nome de um dos filhos do líder do movimento negro nos EUA e significa destro, ligeiro, esperto e sagaz. O rapper fez história com o 509-E, grupo que criou com o amigo de infância Afro-X, no Carandiru.

 

Em 2020, Dexter comemora 30 anos de carreira apresentando a turnê Músicas Minhas… e as que eu gostaria de ter escrito, cantando outros ritmos musicais e revelando as músicas que marcaram a sua vida. No repertorio, além do Rap, Dexter traz o Samba e a MPB, trazendo ao público um novo lado seu. O show tem como convidados Izael Santos (cantor, compositor e multi-instumentista ) e  Gregory (rapper, compositor, com 22 anos de carreira).

 

 

BANDA CIGANA

7 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h

 

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Recomendação etária: 12 anos

Duração: 90 minutos

 

Formada em 2014 em Limeira (SP), a banda tem em sua discografia o disco Todos os Nós (2019), os EPs Sinestesia (2014) e A Torre (2015), além de participações em diversas coletâneas.

 

Neste show, apresentam repertório do último trabalho, e as canções vão do indie ao jazz passando pelo post-rock e pela MPB. Apresentação conta com participação de Victor Meira (Bratislava/Godasadog).

 

A banda participou de importantes Festivais como Festival FEBRE, SIM SP, Pixel Show, Sesc Interlagos, FORMEMUS, S. Bárbara Rock Fest, SEDA – Semana do Audiovisual.

 

É formada por Victoria Groppo (voz), Caique  Redondano (baixo), Matheus Pinheiro (guitarra), Felipe Santos (teclados) e Pedro Baptistella (bateria).

 

CHIMARRUTS

7 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Recomendação etária: 18 anos

Duração: 90 minutos

 

Formada por Rafa, Sander, Nê, Emerson e Rodrigo, a banda de reggae surgiu em 2000, em Porto Alegre (RS). Com 20 anos de carreira, tem sucessos como Do Lado de CáMeu ErroVersos SimplesVende-se Um Véu de noivaSe For Embora e Dia Especial, que foram trilhas de novelas e viraram hits.

 

Atualmente, a banda viaja com a turnê do seu quinto disco, A Diferença (2019), que será apresentado neste show, com o repertório de seus quatro discos anteriores.

 

HURTMOLD

8 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

Formado em 1998, pelos amigos Mauricio Takara, Guilherme Granado, Marcos Gerez, Mário Cappi e Fernando Cappi, o Hurtmold passou a contar com Rogério Martins na percussão e clarinete, em 2003. Com base no rock, a banda usa diversos instrumentos para chegar a sua sonoridade orgânica, repleta de texturas e sempre aberta a improvisações.

 

Com mais de 20 anos de carreira, a banda tem seis discos lançados: Et Cetera (2000), Cozido (2002), Hurtmold/The Eternals – Split (2003), Mestro (2004), Hurtmold (2008) e Mils Crianças (2012).

 

Hurtmold é Fernando Cappi (guitarra), Guilherme Granado (teclado, vibrafone, escaleta e eletrônicos), Marcos Gerez (baixo), Mário Cappi (guitarra), Mauricio Takara (bateria e trompete) e Rogério Martins (percussão e clarone).

 

DAVI – PARTICIPAÇÃO DE URIAS – RITUAL

8 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Recomendação etária: 18 anos

Duração: 70 minutos

 

Após sete anos de sucesso à frente da Banda Uó, o cantor Davi dá início à sua carreira solo. Com uma linguagem diferente do trabalho do grupo, em Ritual (2019), seu primeiro álbum solo, o artista mostra um universo pop, com influências da música brasileira, do reggae e do Rn’B, em canções autorais que perpassam por temas como amor, desejo, falta e espiritualidade.

 

O show conta com a participação da cantora mineira Urias , que dividiu os vocais com músico na faixa Não Faz Diferença no disco.

 

 

CELSO PIXINGA QUARTET

9 de fevereiro de 2020. Domingo, às 18h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

O contrabaixista paulistano apresenta show de lançamento de seu último disco, Slapmania, que é só de Slap, técnica que consiste em bater a lateral do dedo polegar nas cordas de forma a obter sons percussivos. As composições foram elaboradas em três anos de pesquisa e o resultado é de uma sonoridade vintage anos 80 com elementos atuais.

 

Considerado um importante instrumentista das quatro, cinco e seis cordas, Celso Pixinga é também reconhecido como um dos mais rápidos contrabaixistas do país nos baixos de quatro cordas com a utilização da técnica do SLAP.

 

Na década de 1980, Celso Pixinga tornou-se professor de contrabaixo. Em 1987, lançou seu primeiro disco, Pixinga e, no ano seguinte, apresentou-se no Free Jazz Festival.  Tocou e gravou com nomes como Evandro Mesquita, Gal Costa, Gonzalo Rubalcaba, Dave Weckl e Wanderléa.

 

Neste show, Celso Pixinga (contrabaixo) é acompanhado por Mauricio Leite (bateria), Mello Júnior (guitarra) e Bruno Alves (teclados).

 

MÚSICA DE MONTAGEM

14 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

Idealizado por Sergio Molina, músico paulistano com extensa atuação no universo da canção popular de vanguarda (como o projeto Sem pensar nem pensar – parcerias com Itamar Assumpção na voz de Miriam Maria) e no da música clássica contemporânea (série de peças encomendadas pelo Quaternaglia Guitar Quartet), o Música de Montagem é a música dos cortes e colagens, dos sentidos em construção, versos que conversam.

 

No repertório desta apresentação, canções como ParangoléSentidoNo Fim do TúnelMelancholia II e Gente Básica.

 

Com Sérgio Molina (voz e violões), Joana Duahna (voz principal), Clara Bastos (contrabaixos), Rodrigo Bragança (guitarras e texturas eletrônicas), Priscila Brigante (bateria e percussão), Alexia Evellyne e Aninha Ferrini (vocais).

 

BIRO DO CAVACO E CLEVERSON LUIZ

14 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 18 anos

 

Neste show, os sambistas apresentam os grandes sucessos de suas respectivas carreiras, além dos clássicos do samba de raiz.

 

O cantor e instrumentista Biro do Cavaco lançou Trocando Olhares (1989), seu primeiro disco solo, em homenagem ao amigo e músico Tatá, que foi o autor de seu maior sucesso Jéssica. Gravou oito discos, teve uma passagem pela música instrumental, gravando clássicos como BrasileirinhoMeu Caro AmigoLamentos e é, até hoje, professor de música (cavaquinho e violão). Seu mais recente disco, Vou Sambear, vai do samba romântico ao pagode, além de versões instrumentais para músicas como In the Mood (Joe Garland), gravada por Glenn Miller. Biro também integrou uma das formações do Originais do Samba.

 

Já Cleverson Luiz, nascido em Santos/SP, foi integrante do grupo de pagode Ousadia (1990), dividiu o paco com Benito Di Paula, Raça Negra, Só Pra Contrariar, Jorge Ben Jor e Negritude Jr, integrou o grupo Da Melhor Qualidade (DMQ), com quem gravou cinco discos. Gravou seu primeiro disco solo em 2010.

 

Show integra projeto Salve Samba!, do Sesc Belenzinho, com o ritmo genuinamente brasileiro em seus diversos estilos, apresentado por artistas da jovem e da velha guarda.

 

NARA COUTO

15 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

A cantora apresenta seu primeiro disco, Contipurânia, de 2019, com direção artística de Elísio Lopes Jr e arranjos de Letieres Leite. “O projeto Contipurânia leva um nome que faz menção a reverência aos mais sábios, junto com o diálogo com o contemporâneo. Feito com base em uma pesquisa musical, a essência do disco leva o vislumbre de força e poder negro, junto com os elementos culturais fundidos na oralidade em destaque com a musicalidade”, explica Nara.

 

A artista é uma pesquisadora das culturas africanas e afro-brasileiras. Nascida no bairro do Curuzu (Salvador/BA), Nara começou a pesquisar, ainda adolescente, sobre a relação da musicalidade baiana com o continente africano. Influenciada pelas batidas do bloco afro Ilê Aiyê, especializou-se em dança afro contemporânea. Atuou no Balé Folclórico da Bahia e viajou com grandes artistas da música, como Daniela Mercury, Ivete Sangalo e Margareth Menezes, até ingressar na Orquestra Afrosinfônica, em 2009, como vocalista mezzo soprano.

 

 

AFFRONT

15 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 18 anos
Banda carioca, formada em abril de 2016 por M. Mictian (baixista), Affront apresenta um metal rápido, que mescla thrash e death metal. As letras citam vivências dos integrantes e também abordam a realidade do país, cultura, religião e demais problemas cotidianos.

 

Em 2016, a banda lançou seu primeiro disco Angry Voices e, em 2019, o segundo, World In Collapse, que será apresentado nesse show.

 

Affront é formada por M.Mictian (baixo & vocal) Matt (guitarra) e R.Lobato (bateria). Show integra o projeto Música Extrema, do Sesc Belenzinho, com gêneros e estilos como heavy metal, thrash metal, death metal, hardcore, grindcore entre outros.

 

RENATO GAMA 

16 de fevereiro de 2020. Domingo, às 18h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 65 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

Show do álbum Olhos Negros Vivo, do cantor, compositor, produtor e musicoterapeuta paulistano, que mistura as sonoridades do jazz, do samba e do rap. As canções contam com poemas de jovens escritores e de outros já consagrados, como Conceição Evaristo, Paulo Rafael, Allan da Rosa, Cuti, Oswaldo de Camargo e Daisy Serena.

 

Renato Gama é fundador e diretor da Orquestra Profunda de Delicadeza, com musicalização de alguns artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e poemas musicados das escritoras Neide Almeida, Débora Garcia, dentre outras. Escreveu e dirigiu espetáculos literomusicais, como Canto de Vida e Obra, sobre a escritora Conceição Evaristo, dirige as Pastoras do Rosário, mulheres negras sexagenárias no show Libertador. Produziu os trabalhos solos de Mariana Per, Nelson Triunfo , Morabeza Nação e  3Áfricas, para o qual compôs o hit Neguinha Sim! .

 

IGOR PRADO BAND

21 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

O guitarrista brasileiro de blues é influenciado por guitarristas dos anos 1950 e 1960, como Albert King, Blind Willie Johnson e Chuck Berry.

 

Em 2015, com sua Igor Prado Band, gravou o disco Way Down South, que se tornou o primeiro disco de um músico sul-americano a atingir o topo da parada musical Living Blues Chart, dos EUA. O mesmo álbum ficou em 6º lugar na lista dos 50 álbuns de 2015 da Living Blues Radio Chart, ao lado de nomes como Muddy Waters e Buddy Guy.

 

Com mais de 15 anos de estrada, a banda formada por Igor Prado (guitarra e vocal), Yuri Prado (bateria), Rodrigo Mantovani (baixo elétrico e acústico) e Denílson Martins (sax) leva ao palco um repertório completo, que passeia por seus seis discos, com destaque ao seu trabalho mais recente.

 

O show integra o projeto Leste Blues, do Sesc Belenzinho, com gênero musical popular afro-americano surgido no início do século XX, representado em suas mais variadas expressões.

 

CARNE DOCE  (foto destaque)

21 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 18 anos

 

Formada em Goiânia 2013, a banda Carne Doce apresenta composições inéditas e faixas dos três álbuns lançados: Tônus (2018), Princesa (2016) e Carne Doce (2014).

 

Destaque do novo cenário da música brasileira, o quarteto, atração do Lollapalooza 2019, mescla referências de rock dos anos 70 com MPB, em canções com pendor pop. Os dois primeiros discos receberam indicações a importantes prêmios e entraram para as principais listas de melhores discos do ano.

 

Carne Doce é Salma Jô (voz), Macloys Aquino (guitarra), João Victor Santana (guitarra e sampler), Aderson Maia (baixo) e Fred Valle (músico de apoio/bateria).

 

JOHNNY HOOKER

Dias 22 e 23 de fevereiro de 2020. Sábado (carnaval) e domingo, 18h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

Cantor e compositor, Johnny Hooker apresenta o show de repertório, que mescla canções do seu álbum de estreia, Eu Vou Fazer Macumba Pra Te Amarrar, Maldito! (2015) com canções do segundo álbum, Coração (2017), além da música recente Escolheu a Pessoa Errada para Humilhar, lançada nas plataformas digitais no segundo semestre de 2019.

 

VITOR RAMIL

28 de fevereiro de 2020. Sexta, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos
Neste show, intitulado Campos e Avenidas, o artista apresenta uma seleção do repertório que gravou em onze álbuns tomando como ponto de partida seus mais recentes trabalhos, Campos Neutrais (2015) e Avenida Angélica (2017). Canções de trabalhos anteriores como RamilongaLoucos de caraViajeiDeixando o Pago ou Foi No Mês Que Vem mostram o roteiro percorrido por Vitor.

 

O compositor, intérprete e escritor é autor de onze discos, dois songbooks, três romances e um ensaio. É vencedor de dois troféus de melhor cantor do Prêmio da Música Brasileira e é o artista mais premiado da história do Troféu Açorianos (Rio Grande do Sul), com 18 troféus. Tem músicas gravadas por Mercedes Sosa, Milton Nascimento, Jorge Drexler, entre outros.

 

MC THA – RITO DE PASSÁ

Dias 28 e 29 de fevereiro de 2020. Sexta e sábado, 21h30

Local: Comedoria (650  lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 18 anos

 

Após lançar o EP acústico Versões (2018) e cinco singles, a cantora paulistana MC Tha apresenta seu primeiro álbum de estúdio, Rito de Passá (2019). O disco, produzido de forma independente, passeia pelas lembranças íntimas da artista, presentes nas letras compostas por ela e nas experimentações sonoras de Ubunto, Jaloo, Malka, Felipe Cordeiro, DJ Tide e MU540.

 

O bairro Cidade Tiradentes, o Nordeste, a solidão em São Paulo, as raízes espirituais e o grito de um povo forte são alguns dos temas presentes em canções como Rito de PassáClima Quente e Comigo Ninguém Pode. Essas e outras faixas autorais integram o repertório do show, que também traz versões de canções de outros artistas.

 

MARINA MELLO

29 de fevereiro de 2020. Sábado, às 21h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos

 

Compositora, arranjadora e cantora, a paulistana lançou de forma independente em 2016 seu primeiro disco Soft Apocalypse, com participação de Zeca Baleiro. Seu hit Laura fala sobre feminicídio e, desde 2017, a artista participa do coletivo As Mina Tudo, rede de mulheres profissionais da música.

 

Neste show, apresenta músicas de seu novo disco, Estamos Aqui,  lançado em 2019, cuja produção musical é do experiente Chico Neves que já produziu nomes como O Rappa, Lenine, Skank e Paralamas do Sucesso. No repertório, composições que lidam com o cotidiano, as relações modernas, porém sem perder o viés sócio-político, característico das letras de Marina, desde sua estreia. Canções como Gente e parcerias com compositores e compositoras de várias regiões do Brasil também fazem parte deste show.

 

EDU GOMES

01 de março de 2020. Domingo, às 18h

Local: Teatro (364 lugares)

R$ 30 (inteira). R$ 15 (meia entrada). R$ 9 (Credencial Plena do Sesc).

Duração: 90 minutos

Recomendação etária: 12 anos
Show de seu mais recente lançamento, Âmago, de 2019, em repertório que mescla canções de seus três álbuns solo.

 

Nascido em Santo André/SP, iniciou seus estudos na guitarra aos sete anos de idade em Nova Jersey (EUA), onde residiu por onze anos. É ex-integrante do grupo paulistano de blues rock Irmandade do Blues e, atualmente, dedica-se a seu projeto solo, Edu Gomes e a Pirâmide.

 

Dividiu o palco com artistas de blues nacionais e internacionais com McCray, Deitra Farr, Phil Guy, Eddie C. Campbell, Jimmy Burns, J.J. Jackson e André Christovam. Fora do cenário blueseiro, gravou e tocou ao lado de músicos e artistas passando por diversos estilos. Entre alguns deles: Roberto Menescal, Glenn Leonard (Temptations), Gaspa (Ira!) e Márcia Salomon.

 

O show integra o projeto Leste Blues, do Sesc Belenzinho, com gênero musical popular afro-americano surgido no início do século XX, representado em suas mais variadas expressões.

 

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.

Belenzinho – São Paulo (SP)

Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

 

Estacionamento

De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

 

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

 

Assessoria de Imprensa Sesc Belenzinho

 

Sesc Belenzinho nas redes

Facebook | Twitter | Instagram: @sescbelenzinho

#SIGA NO INSTAGRAM