DOUGLAS MAM lança seu segundo álbum, CINE SOLIDÃO

Em uma homenagem à sétima arte, Mam evidencia a tênue fronteira entre a vida real e a ficção ao conectar suas memórias a obras emblemáticas do cinema

 

Mário Bortolotto, Tatá Aeroplano, Mauro Schames, Keila Ribeiro e Paulo César de Carvalho dão voz à trechos de filmes que entremeiam as canções

 

“Sozinho a gente não vale nada” – Citação do filme O Bandido da Luz Vermelha.

 

Cine Solidão, segundo disco autoral do cantor e compositor Douglas Mam, que estreia nas plataformas digitais no próximo dia 13 de julho, apresenta canções que o artista compôs ou arranjou ao longo dos últimos 20 anos. Na obra, ele interliga o repertório do álbum a filmes icônicos, que traduzem emoções vivenciadas por Mam e impressas em suas canções.

 

O álbum, que teve seu primeiro single, Holerite, lançado no mês de junho, foi concebido em meio ao distanciamento social imposto pelo contexto pandêmico, quando Mam experienciou reviravoltas e marcos pessoais importantes. O momento de ruptura, descobertas e recomeços que vivia, impulsionou um movimento de revisão de sua própria biografia. Nesse mergulho para dentro, o artista percorreu toda sua produção musical e revisitou filmes do cinema nacional e internacional, que o tocavam ou despertavam memórias. Mam, então, identificou pontos de conexão entre suas músicas e o cinema – arte pelo qual tem profunda reverência.

 

Em um segundo momento, sentindo a necessidade de compartilhar esse processo criativo, até ali um tanto solitário, Mam convidou Lucas Gonçalves, Victor José, João Rocchetti e Rodrigo Cambará, para realizar a coprodução musical do álbum. Juntos testaram sonoridades, misturando estilos sonoros como o rock, o folk e o MPB. O resultado foi um disco em 3 atos, com nuances autobiográficas: nascimento, vida e morte – que alterna momentos de solidão, melancolia, esperança, exaustão, acolhimento e solitude.

 

Douglas ainda propôs um eco de vozes para ressoar os sentimentos experimentados pelo artista ao ter contato com cada obra cinematográfica abordada no disco. Assim, convidou Mário Bortolotto, Tatá Aeroplano, Mauro Schames, Keila Ribeiro e Paulo César de Carvalho para declamar citações de trechos de filmes como: “São Paulo Sociedade Sociedade Anônima”, “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, “O Bandido da Luz Vermelha”, “Que Horas Ela Volta?”, entre outros. Por fim, duas últimas participações e, talvez, as mais especiais, fazem parte do álbum, reforçando as reverberações pessoais que a feitura da obra trouxe para o artista: as vozes de Dona Gessi, sua mãe, e Nina, sua filha.

 

Cine Solidão: Um disco em 3 atos

 

O álbum, dividido em três atos, simboliza a trajetória recorrente às biografias humanas: infância, maturidade e a velhice.

 

O primeiro bloco de canções – Monte Olimpo, Amalgamar de Rosas e Trem de Papel – tem um tom alusivo à infância e adolescência. “O tom às vezes onírico, outras lúdico, traz referências arquetípicas. É o material que molda e forma o ser humano: as primeiras experiências e descobertas, o olhar e atitude inocente, a imaginação, o primeiro amor, o novo, o espanto… O pano de fundo é bucólico e nostálgico. O passado em tons de sépia, como em uma fotografia antiga”. Explica, Douglas Mam.

 

Holerite, Mão com Mão e Ventríloquo compõem o segundo ato, para tratar de temas da vida adulta, como o trabalho, os relacionamentos amorosos, as rupturas, as escolhas, a reconstrução e o recomeço. Os impasses da maturidade também ficam explícitos, como é o caso da música Ventríloquo, que apresenta dois momentos antagônicos: a citação do filme ‘O Curioso Caso de Benjamin Button’ – “Você pode ficar revoltado com destino, pode xingar os deuses! Mas quando chegar hora, você tem que aceitar” – e o verso criado por Mam: “Se apaixone pelo destino.”

 

No terceiro e último ato, o disco remete à velhice e aos movimentos que, normalmente, são inerentes a esse momento. A revisão da vida vivida, a consciência da finitude, o legado, a solidão e a busca pela solitude aparecem nas canções Tivemos um Talvez, Cine Solidão e É algo. Essa última traz uma citação pinçada por Mam do filme ‘O Bandido da Luz Vermelha’ e que remonta seu próprio entendimento sobre a vida: “Sozinho a gente não vale nada”.

 

Faixa a faixa : Autoria e filmes citados

 

1 – Monte Olimpo (Douglas Mam e Thomas Incao). Citação: O Auto da Compadecida

2 – Amalgamar de Rosas (Douglas Mam e Paulo César de Carvalho) Citação: Deus e Diabo na Terra do Sol

3 – Trem de Papel (Douglas Mam, Sérgio Incao e Thomas Incao). Citação: Central do Brasil

4 – Holerite (Douglas Mam. Arranjo: Rodrigo Cambará). Citação: São Paulo Sociedade Anônima

5 – Mão com Mão (Paulo César de Carvalho e Julia Valiengo. Arranjo: Douglas Mam) Citação: Eles não usam Black Tie

6 – Ventríloquo (Douglas Mam e Thomas Incao). Citação: O curioso caso de Benjamin Button

7 – Tivemos um Talvez (Douglas Mam). Citação: Que horas ela volta?

8 – Cine Solidão (Paulo César de Carvalho e Tatá Aeroplano. Arranjo: Douglas Mam). Citação: Chega de Saudade

9 – É Algo (Douglas Mam). Citação: O bandido da Luz Vermelha

 

Douglas Mam

 

O cantor, compositor, arranjador e poeta paulistano, lançou, em 2019, Fahrenheit, seu primeiro disco solo, que convergia literatura e poesia para sua obra musical e teve produção musical de Juliano Gauche. Antes disso, o músico, compositor, arranjador e poeta passou por diversas bandas da capital, como Os Babilaques, Dondoka Junkie, Os Pilotos, entre outras. Ainda em 2019 criou o festival Era Uma Vez no Oeste. Além de idealizador, atuou como curador e diretor de produção do evento, que tinha o objetivo de celebrar aqueles que pavimentaram o folk nacional e, ao mesmo tempo, ser uma lente de aumento para a cena independente do estilo – mais de 30 artistas se apresentaram em suas 9 edições. Entre 2020 e 2022, com o advento da pandemia, Mam passou por um período introspectivo onde revisitou composições de seus 20 anos como músico. Esse processo culminou em seu segundo disco ‘Cine Solidão’, que homenageia o cinema e será lançado em 2023.

 

Créditos do álbum

 

Músicos:

 

Voz: Douglas Mam

Violão, percussão, vocal e bateria – Lucas Gonçalves

Baixo, gaita e guitarra – Rodrigo Cambará

Viola, violão e guitarra: Victor José

Teclados, percussão e vocal: João Rocchetti

 

Participações musicais:

 

Gaita em É Algo: Murilllo Augustus

Bandolim em Monte Olimpo: Jonavo

Vocal em Ventriloquo: Heloa Hollanda

Vocal em Amalgamar de Rosas: Lívia Mendes e Versos Pollaris

Piano em Mão com Mão: Klaus Sena

 

Locuções/citações de filmes: Mário Bortolotto, Tatá Aeroplano, Mauro Schames, Keila Ribeiro e Paulo César de Carvalho, Gessi Araújo e Nina Gottardi Viana.

 

Produção Musical: Douglas Mam, Lucas Gonçalves, Victor José, João Rocchetti e Rodrigo Cambará

Gravação em Home Studio

Mixagem e masterização: Filipe Consollini

Produção Executiva: Douglas Mam

Arte da Capa: Vito Ceccon

Fotos de divulgação: Visconde

Assessoria de Imprensa: Nany Gottardi (Locomotiva Cultural)

Social Media: Lívia Matos

Produção de shows: Aline Medeiros (Graxa Produções)

 

Redes do Artista

 

Instagram: @douglasmam_

Youtube: @douglasmam4339

Spotify

Pré-save

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: LOCOMOTIVA Cultural

#SIGA NO INSTAGRAM
Hoje (23/02), é aniversário do cantor e compositor Wilson Simonal que completaria 86 anos.

Um dos maiores nomes da música popular brasileira.

E quando pinta saudade de ouvir os clássicos, ainda bem que temos o show "O novo Baile do Simonal", com @wsimoninhaoficial e Max de Castro @maxdecastrooficial 

#wilsonsimonal #happybirthday
@colinhay @midiorama
Hoje (19/02), é aniversário da jovem atriz Millie Bob Brown @milliebobbybrown que completa 20 anos.

#milliebobbybrown #boomerangmusic #happybirthday #strangerthings