Gaby Amarantos lança “Purakê”

Ouça o álbum

 

 Assista aos lyric videos

 

Após quase 10 anos do sucesso do álbum “Treme” (2012), Gaby Amarantos lança seu segundo trabalho de estúdio, intitulado “Purakê”, uma alusão ao peixe elétrico pré-histórico da Amazônia, cuja voltagem chega a 860 volts, enfatizando a eletricidade natural que a cantora considera uma característica de toda sua força e representatividade como mulher e artista brasileira.

 

O single “Amor Pra Recordar”, um feat com Liniker, faz parte do disco e foi lançado recentemente com um clipe cinematográfico, recheado de emoção e fazendo uma homenagem para as mulheres ribeirinhas do Norte do Brasil, um uníssono que faz a alma marejar. Outras duas faixas do álbum também já foram apresentadas anteriormente como “Vênus Em Escorpião”, um brega punk lançado em novembro de 2020, com participação de Ney Matogrosso e Urias, e “Tchau”, nas plataformas de streaming desde fevereiro, e que contou com Jaloo, que assina a produção musical de “Purakê”.

 

Com um total de 13 músicas, a cantora entrega um trabalho ímpar, totalmente visual – cada faixa conta com um conteúdo animado produzido por profissionais como o paraense Lucas Gouvêa e Luan Zumbi – com mais feats surpreendentes e uma sonoridade na melhor versão de Gaby Amarantos.

 

“Temos logo na faixa de abertura, uma canção chamada ‘Última Lágrima’ com parceria de Elza Soares, Dona Onete e Alcione. Já dá até para imaginar a grandiosidade dessa união de vozes” – comenta Gaby. Esse feat foi pilotado pelo produtor mineiro independente Baka, junto com Rafael Ramos e Jaloo. “O álbum tem desde músicas que são mais românticas e lentas para você se deitar, refletir e ouvir, até aquelas que são extremamente dançantes. É uma mistura de sonoridades de uma Amazônia do futuro, tenho certeza de que o público irá amar” – completa.

 

Ainda sobre “Última Lágrima”, a cantora destaca que a faixa de abertura é a benção do trabalho, que faz referência ao poder da decisão de se derramar a última lágrima. Já em “Opará”, feat com a cantora baiana Luedji Luna, considera-se a representação da sereia do asfalto que existe dentro de cada mulher. “Amor Fake”, a terceira faixa do trabalho, é um brega que vem acompanhado com um som de saudade que se faz atual ao declarar guerra contra tudo que é fake.

 

E para falar de amor da maneira mais atual possível, Gaby traz “Sangrando”, um feat com Potyguara Bardo. A canção é uma sofrência moderna onde Romeu é uma drag queen e Julieta uma mulher preta. “Embraza” é um convite para todos se imaginarem no solstício tropical colocando o pé na água doce da praia de rio. Na música “Rio”, Gaby leva todos para a visualização do Norte do Brasil no mapa do mundo.

 

Na nona faixa, intitulada “Selfie”, a cantora brinca que se trata de um brega que Reginaldo Rossi cantaria nos dias de hoje. Em “Rolha”, o público vai poder apreciar uma cúmbia eletrônica, ritmo bastante popular na América Latina. Com “Iniciação”, Gaby quer enfatizar a vivência de uma paraense que decidiu aproveitar o carnaval na Bahia e “Arreda”, feat com Leona Vingativa e Viviane Batidão, trata-se de um tecnobrega afropunk, para ninguém ficar parado literalmente.

 

 

Sobre a produção e o processo criativo de “Purakê”, Gaby Amarantos ressalta sua vontade de trazer mensagens que pudessem mostrar as características de um país mais profundo e todas as suas facetas. “Em muitas partes do Brasil, ainda vemos pessoas com pouca infraestrutura e passando por muitas dificuldades, seres humanos quase invisíveis, mas que possuem muita história de garra e determinação. Trago neste trabalho muito do olhar aos ribeirinhos e minha essência e vivência tanto no âmbito pessoal quanto espiritual. Jaloo me ajudou a casar toda essa criatividade em uma sonoridade que conversa com a natureza e traz uma eletricidade natural em cada faixa”, conclui.

 

Fato curioso sobre “Purakê” é que todo o processo de composição e produção musical aconteceu a bordo de um barco no Rio Tapajós, na Amazônia.

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: BATUCADA COMUNICAÇÃO