Pedro Gama faz MPB alternativa com influências do subúrbio carioca no divertido clipe “Pipa Avuada”

Faixa é uma carta de amor memorialista do subúrbio carioca nos anos 90 em música que une MPB e funk

 

 

Cantor e compositor que fez da rua e sua energia em forma de inspiração, Pedro Gama volta ao passado para iniciar sua próxima fase na carreira. “Pipa Avuada” é uma crônica memorialista sobre como é crescer no subúrbio e os conselhos que ouvia de sua mãe. O vídeo unindo passinho e uma rua tipicamente suburbana tem a intenção de provocar essa sensação de viagem no tempo. A música está disponível em todas as plataformas de streaming.

 

Veja o clipe: https://youtu.be/YJRvyfgtU24

 

Ouça “Pipa Avuada”: https://smarturl.it/PipaAvuada

 

“Essa música fala de três coisas bem específicas: memória afetiva, representação e crescimento. Eu quis apresentar símbolos que, na minha infância, foram importantes, e que de certa forma me moldaram como um adulto, podendo olhar pra trás com carinho,  como o ‘fliper’ na padaria; o tio que ficava sentado tomando uma – que curiosamente, hoje esse tio sou eu; a mãe de algum amiguinho ou amiguinha que vendia sacolé na porta de casa e claro, a pipa que ‘avuava’ do nada e a molecada saia correndo igual uns loucos pra ver quem pegava, só pela diversão. Já no que faz referência ao crescimento, o título de ‘Pipa Avuada’, toma outra conotação. Como adulto, é como ser meio deslocado, meio doido, meio artista”, se diverte.

 

Unindo a boemia do samba com a energia do rock, o cantor e compositor estreou cantando os bares e o cotidiano no EP “Condôminos”, de 2016.  Ao ouvir as composições de Gama, é como se a batucada e a distorção saíssem para dançar na noite e encontrassem a psicodelia e o erudito.

 

As influências de  Pedro Gama vêm de grandes clássicos do samba carioca, como Candeia, sem deixar de lado a identificação com a MPB de Sérgio Sampaio e Jards Macalé, o tropicalismo e a psicodelia brasileira dos anos 70. A vida livre que o levou à música, também trilhou o caminho que o encaminhou para apresentar-se em importantes palcos, e o traz de volta nesse primeiro single de uma nova fase, explorando tons do funk carioca e de outras sonoridades.

 

“Essa música,no palco, transbordava uma energia de muita alegria, de nostalgia, quase uma catarse, quando as pessoas cantam junto com a banda. Ela estava guardada há 3 anos e pareceu ser um passo necessário para minha carreira pra tentar passar tudo aquilo que a gente sente no palco, toda aquela alegria que a gente trocava em forma de um clipe”, conta Pedro.

 

Com participação do projeto Passinho Carioca, o clipe foi dirigido por Beto Waite e Zé Pereira. “Pipa Avuada” está disponível em todos os serviços de streaming de música.

 

Veja o clipe: https://youtu.be/YJRvyfgtU24

 

Ouça “Pipa Avuada”: SMARTURL

 

 

Ficha técnica

Pedro Gama – vozes; composição; arranjo; produção

Arthur Moreno – Beat; sound design; guitarra; arranjo

Fafa Oliveira – Composição; captação; Baixo; arranjo; mixagem

Gabriel Diniz – guitarra

Bruno Sanson – masterização

Israel Claro – bateria

Cesar Lira – percussão

Junior Rocha – teclado

 

Direção: Beto Waite e Zé Pereira

Produção executiva: Zé Pereira

Produção: Iole Melo

Elenco: Pedro Gama e Ruan Murilo

Beleza: Suzane Frota

Assistentes de produção: Jessica Loro, Stéfany Gama, Thiago de Paula, Veridiane Vidal, Ruan Giosepe, Shikko Alves

Soltador de pipa: José Ribas

Making of: Ricardinho Gomes/Favelado Filmes

Agradecimentos:  Vânia Luiza, Lídia Marina Gama e Marina Campello, Passinho Carioca

 

Letra

Eu era fã dos Hermanos

Esperando a barba crescer no fim do ano

Ajudava son Goku a fazer a genkidama

Mamãe dizia : Moleque, sai da cama

 

Dançava É o Tchan toda semana

Gastava meu dinheiro inteiro no fliperama

Pegava la na tia um sacolé de uva

Mamãe dizia: Moleque, sai da rua.

 

Tu não é pipa avoada para correr atrás do vento

Tem todo tempo do mundo para perder

Viver é um talento.

 

Dançava É o Tchan toda semana

Gastava meu dinheiro inteiro no fliperama

Pegava la na tia um sacolé de uva

Mamãe dizia: Moleque, sai da rua.

 

Tu não é pipa avoada para correr atrás do vento

Tem todo tempo do mundo para perder

Viver é um talento.

 

Já cresci, já estou barbudo

já não tenho culpa de não alegrar o mundo

quando eu era menor, a vida era mais fácil

agora ela só quer me fazer de palhaço

 

Com informações: Build UP Media