PUPPI busca cura na arte em seu novo álbum solo, “Crisalide”

Violoncelista italiano cria orquestra de um homem só em projeto intimista

 

Federico Puppi trocou o Rio de Janeiro por uma área rural próxima a Juiz de Fora no começo da pandemia. O clima bucólico de onde estava em contraste com as incertezas do Brasil e de sua Itália natal fez com que o músico buscasse na arte a cura. Envolvendo-se em camadas de seu cello, ele fez do processo de compor um caminho de bem-estar e metamorfose que transparece em “Crisalide – Songs for Metamorphosis”, seu novo álbum solo.

 

Ouça “Crisalide”: https://tratore.ffm.to/crisalide

 

“Comecei a compor para me sentir melhor, para combater as angústias internas, a música foi minha bússola para atravessar este período da melhor forma possível. Fui construindo uma pequena orquestra de mim mesmo, violoncelo em cima de violoncelo, camada após camada e assim nasceram as várias Crisalides. A palavra Crisalide significa casulo em italiano: a fase de metamorfose para virar borboleta, o tempo de reclusão antes de sair voando, a mutação para ganhar asas. ‘Crisalide’ foi a minha cura, me ajudou a manter a calma, a segurar o peso dos acontecimentos e quero que a minha música possa ter o mesmo efeito para outras pessoas”, conta PUPPI.

 

Italiano radicado no Brasil, ele lançou os álbuns solo “Canto da Madeira” e “Marinheiro de Terra Firme”, além da trilha sonora da peça “Em Nome da Mãe”. Como produtor, trabalhou ao lado de Maria Gadú no disco “Guelã”, indicado ao Grammy Latino, entre outros nomes da cena brasileira. Recentemente ele também se dedicou ao duo YAMÍ com Marco Lobo. Todas essas jornadas se unem em “Crisalide”, que dialoga com todos os estudos musicais que o artista fez em sua vida.

 

“Dentro desse formato de só violoncelo reencontrei minhas raízes, eu comecei tocando música erudita e isso está no meu DNA musical. Essa bagagem começou a aflorar naturalmente, foi como reencontrar um amigo de infância depois de muito tempo. Não que Crisalide seja ‘música clássica’, continua sendo o espelho do meu presente, mas ela contém muitas referências aos compositores que me criaram, musicalmente falando”, reflete PUPPI.

 

O disco pode ser ouvido em todas as plataformas de música.

 

Ficha Técnica:

 

Violoncelo: Federico Puppi (PUPPI)

Produzido, gravado e mixado por Federico Puppi no estúdio “Marinheiro” em Juiz de Fora.

Masterizado por Diogo Guedes no estúdio “Toca do Mendigo” em São Paulo.

Todas as composições são de Federico Puppi.

Fotografia capa: Marcella Calixto

Design: Gualtiero Terrealte

Assessoria de imprensa: Build Up media

Figurino: Cristina Cordeiro

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: BUILD UP MEDIA