Sepultura lança o novo álbum Quadra em nos formatos CD, LP duplo e nas plataformas digitais

O disco marca a evolução da banda com elementos novos e inusitados, sem perda da essência

 

O ano de 2020 começa com novidade para o heavy metal. Sepultura lançou hoje, 7 de fevereiro, o álbum Quadra.

 

O lançamento será mundial e simultaneamente em todas as plataformas musicais.

 

Para o Brasil e a América Latina a banda firmou parceria com a gravadora BMG.

 

Quadra foi inspirado no Machine Messiah, um disco diferente na história do Sepultura, com elementos inusitados.

 

São 12 faixas: Isolation; Means to an End; Last Time; Capital Enslavement; Ali Raging Void; Guardians of Earth; The Pen Tagram; Autem; Quadra; Agonyn of Defeat; Fear, Pain, Chaos, Suffering.

 

““Com o Quadra estamos explorando as possibilidades novas que o Machine Messiah trouxe. O lado A é mais tradicional, thrash metal, que representa o discurso do Sepultura, mas com elementos novos; o B é mais percussivo, com ritmos brasileiros; O C vai um pouco mais além com o violão, mais instrumental como característica geral. É ir um pouco mais além; e o D é aquela coisa mais ‘groovada’, lenta, com melodia. Quadra é uma consequência do crescimento do Sepultura”, explica Andreas Kisser, guitarrista da banda.

 

Um fato inédito é a participação de músicos convidados nos vocais. Quadra traz Emmily Barreto, do Far From Alaska, para uma das faixas.  “O vocal feminino casou muito bem com a voz do Derrick”, diz Kisser.

 

Isolation, com letra do vocalista Derrick Green, abre o disco. O single, apresentado pela primeira vez no Rock in Rio 2019, retrata o sistema prisional dos EUA.

 

“A prática desumana do confinamento solitário muda a estabilidade mental dos prisioneiros. Eles não são reabilitados, mas transformados para pior. Uma vez lançados de volta à sociedade, todos pagamos o preço pelo que foi feito com eles”, explica Green.

 

“A faixa é mais tradicional, do thrash metal, mas tem elementos novos, como o coral e os arranjos de vozes que acompanha o Derrick.

 

Depois, a banda lançou a poderosa e imponente Last Time. Segundo Kisser, é um single com o qual muitos de nós podemos nos identificar ou encontrar nas relações que temos com outras pessoas que estão tentando superar um vício. Nos tempos em que vivemos, é uma luta que todos devemos enfrentar.

 

O disco foi gravado na Suécia e leva a produção de Jens Bogren, o mesmo do disco Machine Messiah, lançado em 2017. “Trabalhar com Bogren é sensacional. Foi fundamental. O produtor sempre é o quinto elemento da banda dentro do estúdio. Energia 100% dentro do disco. Ele expandiu a ideia de corais, de coisas de cordas. Foi um disco difícil de fazer, mas estávamos preparados. Bogren também mixou e masterizou o disco”, comenta Kisser.

 

Conceito de Quadra

 

A palavra “quadra” pode ser usada de várias formas, entre elas, para definir “quadra esportiva” que é uma área limitada com demarcações regulatórias, onde, de acordo com um conjunto de regras, o jogo ocorre.

 

“Todos nós viemos de diferentes quadras – países e nações com suas fronteiras e tradições, cultura, religiões, leis, educação e um conjunto de regras onde a vida acontece. Nossas personalidades, crenças, o modo de vida, a construção das sociedades e dos relacionamentos… tudo depende desse conjunto de regras com as quais crescemos. São conceitos de criação, Deus, morte e ética”, afirma Kisser.

 

A imagem é de uma moeda, que subjetivamente mostra a importância atribuída ao dinheiro. Nela, há um crânio que representa o conjunto de regras e as leis, e o mapa do mundo, delimitando as fronteiras de todas as nações.

 

“Somos escravizados pelo dinheiro e medimos as pessoas e os bens materiais pelos conceitos de pobreza e riqueza. Independentemente da sua quadra, você precisa de dinheiro para sobreviver. Esta é a regra principal para jogar este jogo chamado vida”, explica.

 

O projeto da capa é de Christiano Menezes com produção executiva de Marcos Hermes (créditos foto). 

 

Tracklist:

01. Isolation
02. Means To An End
03. Last Time
04. Capital Enslavement
05. Ali
06. Raging Void
07. Guardians Of Earth
08. The Pentagram
09. Autem
10. Quadra
11. Agony Of Defeat
12. Fear; Pain; Chaos; Suffering

 

Bio

 

Formado em Belo Horizonte, em 1984, o Sepultura passou a ser uma das principais figuras no cenário underground que florescia para o thrash metal.

 

Com sonoridade inventiva e exuberante e ao mesmo tempo crua e primitiva, a banda rompeu preconceitos ao fixar a América do Sul no mapa do metal assim como ajudou a dar forma para algo novo e brutal no heavy metal desde seus primeiros álbuns, Morbid Visions, Schizophrenia e Beneath The Remains.

 

Obstinados a viajar para qualquer parte, o Sepultura construiu com firmeza uma das bases de fãs mais dedicada do planeta e, enquanto na década de 1990 muitas bandas tentavam se firmar criativa e comercialmente, os brasileiros conseguiram isso de ponta a ponta: em 1993, com Chaos AD, e em 1996, com Roots, clássicos instantâneos que provaram desde o lançamento serem extremamente influentes sobre várias gerações de músicos do metal.

 

A saída de Max Cavalera, frontman e membro fundador da banda em 1997. poderia ter descarrilado um grupo menos focado, mas mais tarde, naquele mesmo ano, a convocação do vocalista Derrick Green se provou um golpe de mestre.

 

As duas últimas décadas assistiram o Sepultura evoluir, diversificar e prosperar com o lançamento de uma sucessão de registros devastadores que adicionaram muita profundidade à ilustre biografia da banda.  Da indiscriminada euforia causada pelo primeiro registro de Green no grupo, Against (1998), à Roorback (2003), para o brilhante e com riffs que guiam ao futurismo, Kairos (2011) e o extremamente aclamado The Mediator Between Head And Hands Must Be The Heart (2013), produzido por Ross Robinson, o progresso do Sepultura tem sido perpetuado com sua integridade artística impecável.

 

O álbum Machine Messiah é um disco com músicas cuidadosamente elaboradas, desafiadoras e impactantes. Lançado em 2017, traz o casamento perfeito entre os melhores solos de Andreas Kisser e a voz potente de Derrick Green, dois gigantes do heavy metal mundial.

 

Sonoridade e riffs bem encorpados são a essência do álbum. As faixas têm características únicas e não deixam de marcar a inovação musical do Sepultura.

 

Iceberg Dances, por exemplo, faz a guitarra de Kisser praticamente falar. “Há muitos elementos novos nesse disco e isso é algo que sempre fazemos. “Sempre colocamos 100% de energia e paixão. Falamos muito sobre tudo, especialmente quando chega a parte das letras e encontrar o melhor caminho para expressar o que queremos dizer”, afirma Kisser.

 

Andreas Kisser (guitarra), Derrick Green (vocal), Paulo Jr. (baixo) e Eloy Casagrande (bateria) celebraram em 2020 os 36 anos de existência do Sepultura. Derrick está há 23 anos à frente dos vocais da banda.

 

Em 2020, o Sepultura evolui e inova com o álbum Quadra.

 

Links:

 

Site: www.sepultura.com.br

Facebook: www.facebook.com/sepultura

Instagram: @sepultura

Twitter: https://twitter.com/sepulturacombr

YouTube: https://www.youtube.com/user/sepulturacombr/featured

 

Assessoria de Imprensa – Adriana Baldin