“Sucesso Bendito” – Arthur Nogueira canta Caetano Veloso (voz e violão) pela gravadora Joia Rara

“Caetano é todo meu. Digo, meu favorito. E olha que tenho muitos preferidos! É que são muitos e grandes, tantos e diversos e imensos… Mas Caetano “é” eu. Uma escolha pessoal, biográfica. Então, quando ouço Arthur, com essa voz de Arthur, que é só dele, dizendo letras que conheço tanto, botando tudo no colo e me entregando de novo, recebo e me emociono, renovada”.   Zélia Duncan

 

Em voz e violão, o artista paraense percorre 50 anos de música em 10 canções. O álbum reúne composições de Caetano Veloso de diferentes épocas, que carregam em si aspectos fundadores deste país e tiveram papel fundamental também na construção da poética de Arthur Nogueira, com lançamento nas plataformas digitais em 16 de julho de 2021.

 

Prestes a lançar seu quinto álbum de composições inéditas, o cantor e compositor Arthur Nogueira recebeu o convite do SESC RJ para fazer uma live interpretando as canções de Caetano Veloso em voz e violão. O projeto despertou o interesse do DJ Zé Pedro, proprietário e curador da gravadora Joia Moderna, que provocou o paraense a registrar suas versões em estúdio. “Sucesso Bendito”, música gravada por Maria Bethânia em 1984, é a faixa escolhida para dar nome à homenagem de Arthur Nogueira ao artista brasileiro que mais o inspira. Trata-se de um passeio pela obra excelsa e atemporal de Caetano Veloso através da voz de um dos mais destacados compositores brasileiros contemporâneos.

 

Jogando luz no ofício de cantar, Arthur saúda a força estranha que move o trabalho de todo artista, por meio de canções pouco revisitadas, como “Pronta pra cantar”, composta para Maria Bethânia e lançada por ela em dueto com Nina Simone em 1990, e “José”, lançada pelo próprio Caetano em 1987. O repertório abarca ainda toda a dramaticidade do compositor baiano mais apaixonado pelo cinema, com “Giulietta Masina” e “Drama”, e o romantismo sui generis de “Menino Deus” e “Eu te amo”.

 

Produzido por Alexandre Fontanetti, o álbum foi gravado ao vivo no estúdio Space Blues, em São Paulo, no dia 19 de junho de 2021. Para captar o som de forma analógica, foram usados microfones valvulados e de fita (Ribbon) para a voz e dois pares estéreo de condensadores para o violão, além de pré-amplificadores valvulados dos anos 1960, das marcas Ampex e Altec, e o clássico Neve 33135. Premiado no Grammy Latino pela Engenharia de Som dos álbuns “APKÁ” (2019), de Céu, e “Jardim-Pomar” (2016), de Nando Reis e os Infernais, Alexandre Fontanetti também produziu os discos “Rita Lee em Bossa ‘n’ Roll” (1991) e “Sem Destino” (2010), de Luiz Tatit.

 

Arthur Nogueira (Belém, 1988) é cantor, compositor e produtor musical. Lançou quatro álbuns próprios e compôs para grandes vozes, como Gal Costa e Fafá de Belém. Considerado o artista contemporâneo responsável por “renovar a tradição dos poetas na canção brasileira” (O Globo), sua música agrega, por exemplo, a poesia de Antonio Cicero, Adília Lopes (Portugal) e Adonis (Síria). Dentre outros títulos, lançou os CDs: “Sem Medo Nem Esperança” (2015) e “Rei Ninguém” (2017). Produziu os álbuns “Humana” (2019), de Fafá de Belém, e “Só” (2020), de Adriana Calcanhotto.

 

Texto de Zélia Duncan

 

“Caetano é todo meu. Digo, meu favorito. E olha que tenho muitos preferidos! É que são muitos e grandes, tantos e diversos e imensos… Mas Caetano “é” eu. Uma escolha pessoal, biográfica. Então, quando ouço Arthur, com essa voz de Arthur, que é só dele, dizendo letras que conheço tanto, botando tudo no colo e me entregando de novo, recebo e me emociono, renovada.

 

O lugar essencial, minimalista, da voz com o violão – que é a alma de tantos compositores –, nos silêncios de Arthur gritam o grito tão docemente solitário e lindo desse cantor, que respira olhando para cima, rezando pela chuva de canções que saiu de sua boca e sobre ela cairá de volta, na forma de tantas vidas.

 

Não é fácil recantar canções, mas é tão necessário, quando legítimo. Porque se não for, não é, não vale, não temos tempo a perder. Então, é claro que Arthur Nogueira pode e deve cantar Caetano. Ele tem seus motivos e essa sua voz tamanha, do tamanho singular que sempre vai ter a obra que o inspirou”.

 

Repertório:

 

01 – Sucesso bendito (Caetano Veloso)

02 – Pronta pra cantar (Caetano Veloso)

03 – Drama (Caetano Veloso)

04 – Força estranha (Caetano Veloso)

05 – Eu te amo (Caetano Veloso)

06 – Giulietta Masina (Caetano Veloso)

07 – Tempestades solares (Caetano Veloso)

08 – Menino Deus (Caetano Veloso)

09 – Estou triste (Caetano Veloso)

10 – José (Caetano Veloso)

 

Ficha técnica:

 

Produzido por Alexandre Fontanetti

Concepção, voz, violão e arranjos: Arthur Nogueira

Consultoria artística: DJ Zé Pedro

Fotografia: Miro

Edição de moda: Paulo Martinez

Beleza: Silvana Gurgel

Design gráfico: Elisa Arruda

Gravadora: Joia Moderna

 

Captação de áudio, mixagem e masterização: Alexandre Fontanetti.

Gravado ao vivo no estúdio Space Blues, em São Paulo, no dia 19 de junho de 2021.

 

 

 

 

 

 

Com informações: Debs Comunicação