BRUNA NASCIMENTO lança seu novo EP “Desamarração”

Ouça aqui:   https://onerpm.link/Desamarracao

 

Vídeo de “Meu Menino”:   https://youtu.be/YjHI5xkA9Yc

 

Filha de retirantes, Bruna Nascimento nasceu no Recife e morou dos 3 meses aos 11 anos com a família em um quarto nos fundos de uma fábrica de jeans, em São Paulo. Formada em Engenharia de Produção pela USP e de volta ao Recife, a cantora e compositora lança o seu primeiro EP “Desamarração” (YB Music) com produção de Luisão Pereira.

 

Tsunami (Bruna Nascimento)

 

Quero que você me veja como eu te vejo

Quero que você devolva todos os meus beijos

Quero que você não se esqueça mais de mim

Quero ser o manto do teu corpo

 

Quero que você responda aos meus movimentos

Quero que você me aqueça a todo momento

Quero que você me molhe bem assim

Quero que um tsunami nasça em meu corpo

 

Venha navegar em minhas águas

Dizem que se pode flutuar

Se a natureza nos abraça

Logo logo a gente vira mar

 

Quero que você me toque com delicadeza

Quero que você me aperte com as tuas presas

Quero que você me olhe bem assim

Quero ser o som em teus ouvidos

 

Quero que você me guie como fiz contigo

Quero que você me peça manso e eu sigo

Quero que você se molhe bem assim

Quero que um tsunami nasça em teu corpo

 

Venha navegar em minhas águas

Dizem que se pode flutuar

Se a natureza nos abraça

Logo logo a gente vira mar

 

Venha navegar em minhas águas

Dizem que se pode flutuar

Se a natureza nos abraça

Logo logo a gente vira mar

 

Bruna Nascimento – Voz

Luisão Pereira – Guitarra, Baixo, Synth, Rhodes, Percussão e Programação de bateria

 

Quando se deixa (Bruna Nascimento/Guilherme Felberg)

 

Leve como o tempo dos carnavais

Leve como os ventos celestiais

Cantar pra te lembrar

As vezes me distrai

Lembro do frescor que você me traz

 

Frágil mas intenso eu já sei bem

Deve ser o medo de amar alguém

E quase flutuar

Sem chance de voltar

Doce sentimento de te encontrar

 

Quando se deixa

Pensar com todo o corpo

Em cima da cabeça

Quando se beija

Quando se deixa

Beijar por todo o corpo

Dentro da cabeça

Quando se deixar levar

 

Frágil mas intenso eu já sei bem

Deve ser o medo de amar alguém

E quase flutuar

Sem chance de voltar

Doce sentimento de te encontrar

 

Quando se deixa

Pensar com todo o corpo

Em cima da cabeça

Quando se beija

Quando se deixa

Beijar por todo o corpo

Dentro da cabeça

Quase que deixa levar

 

Bruna Nascimento – Voz

Luisão Pereira – Violão, Baixo, Synth, Xilofone, Arranjo e Programação de Sopros.

Caio Oliveira – Bateria e Percussão

Ícaro Santiago – Piano Rhodes

 

Meu menino (Bruna Nascimento)

 

Nana menino

Eu vim te botar pra dormir

Com meu carinho

Nos teus cabelos

Meus dedos se enlaçam sem querer

Igual teus braços no meu tronco nu

 

Faz tempo que te vejo

Me olhar

Bonito assim

Como quem sabe o que quer

Mas não pede pra mim

 

Pode se deitar que hoje você é

O meu ninho

Meu menino

 

Bruna Nascimento – Voz

Luisão Pereira – Violão, Baixo, Synth, Rhodes, Xilofone, Arranjo e Programação de Sopros.

Caio Oliveira – Bateria e Percussão

 

Não há pra que mentir (Bruna Nascimento)

 

Quando o raio estourou lá fora

Pareciam os meus pensamentos

Que diziam para eu ir embora

Mas eu quis ficar um pouco dentro

 

O trovão não demorou a vir

Parecia que pra me avisar

Precisava logo explodir

No chamado de um temporal

 

Que invade o meu ser

Odiar é mais fácil que querer

Encontrar

Amor aqui

Já não há porque que mentir

 

Prometi já não cairia

Nas entranhas dessas armadilhas

Quero preparo sempre mim mesma

Na esperança de achar amor

 

Me parece hora de partir

Já não é mais tempo de negar

Esse teto pode explodir

Com o raio de um temporal

 

Que invade o meu ser

Odiar é mais fácil que querer

Encontrar

Amor aqui

Já não há porque que mentir

 

Num temporal

Que invade o meu ser

Odiar é mais fácil que querer

Encontrar

Amor aqui

Já não há porque que mentir

 

Bruna Nascimento – Voz

Luisão Pereira – Violão, Baixo, Synth e Rhodes

Caio Oliveira – Bateria e Percussão

Nahor Gomes – Trompete e Flugelhorn

 

Amarração (Bruna Nascimento/Pedro Pinhal)

 

Quis fazer amarração para o amor

Hoje vejo que amor me amarrou

Nessa busca por prender o que não se tem

Veio você… Meu bem

 

Que ri como criança quando o irmão leva bronca

Prende o choro e não se deixa sentir dor

E eu tão cheia dos sentidos, logo aguço meus ouvidos

Vou no tato, mas estranho o teu sabor

 

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não me conhecia

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não te conhecia

 

Te queria como um raio quer o chão

Atraído pelas forças de um imã

Hoje vejo como é bom viver nas nuvens

Mesmo sem você, meu bem

 

Que ri como criança quando o irmão leva bronca

Prende o choro e não se deixa sentir dor

E eu tão cheia dos sentidos, logo aguço meus ouvidos

Vou no tato, mas estranho o teu sabor

 

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não me conhecia

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não te conhecia

 

Fui buscar uma resposta no tarot

O que faço se não quero mais teu amor

Vou tentar desamarrar

O nó que tanto quis atar

Quando eu desconhecia os meus gostos

 

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não me conhecia

O que nos falta é a tal sinergia

Naquele tempo eu não me conhecia

 

Bruna Nascimento – Voz

Luisão Pereira – Violão, Baixo, Synth, Rhodes, Arranjo e Programação de Sopros

Nahor Gomes – Trompete e Flugelhorn

 

Produzido por Luisão Pereira.

Gravado por Luisão Pereira, Silvia Betrame, Caio Oliveira e Alberico Jr nos estúdios Festim e Oliveira (Salvador), Beco (Recife) e ArtStudio (Avaré/SP).

Mixado e Masterizado por Alberico Junior (estúdio Beco).

 

FAIXA A FAIXA

 

Tsunami

 

É uma música que fala sobre sexo de uma perspectiva muito feminina. Sou eu tratando sobre pensamentos e desejos que me ocorrem quando estou muito imersa numa relação com alguém. Acho que o que eu mais gosto é a mulher selvagem que ela retrata: ser inteira, intensa, delicada, agressiva, tudo em uma só pessoa. Acho que como mulheres a gente muitas vezes deixa nossos desejos de lado e essa música é o oposto disso! O arranjo é inspirado no carimbó e no brega paraense.

 

Quando se deixa

 

É uma canção sobre esperança. A esperança boba de que ele é um pouco fechado e quando se deixa levar… Fala sobre ter expectativas numa relação de um ponto de vista muito feminino e delicado. É uma canção sobre o amor, brinca com a idealização sobre alguém que não consegue se entregar totalmente para a relação.

O arranjo é leve e retrô, trazendo um toque de rock, faz referência ao baixo inesquecível de Lou Reed.

 

Meu menino

 

É uma balada pop com toques de bossa nova retrô. A letra romântica descreve um cafuné entre um casal, mas traz nas entrelinhas tem um significado oculto: fala sobre o carinho numa relação casual que se revela na frase ´hoje você é o meu ninho´. O arranjo leve e o timbre macio de Bruna transportam o ouvinte para um abraço aconchegante, guiado por melodias de xilofone, sopros e piano.

 

Não há pra que mentir

 

É uma canção sobre resignação. Quando é impossível encontrar amor depois de se insistir muito, tudo se acaba numa grande tempestade. O arranjo sexy e a roupagem de reggae lento trazem uma certa calma para a composição, que tem uma letra extremamente forte. Os trompetes e flugelhorn gravados por Nahor Gomes (Jazz Sinfônica SP) dão um charme especial à faixa.

 

Amarração

 

É uma música de deboche e fecha a aventura amorosa narrada pelas músicas anteriores com muito humor. O arranjo de samba com roupagem de rock foi inspirado na canção ´Samba a Dois´ do Los Hermanos, minha banda preferida. Os trompetes também foram gravados por Nahor Gomes (Jazz Sinfônica SP).

 

Lançamento YB Music

 

www.instagram.com/brunart

www.tiktok.com/brunarttt

www.twitter.com/brunart_bruna

www.facebook.com/bruna.rtn

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: BEBEL Prates Assessoria de Comunicação