Cantora brasileira que conquistou o mercado francês cantando em português, Flavia Coelho lança dois EPs pela Sony Music Brasil

Três discos lançados na França, shows lotados em casas míticas de Paris como L’Olympia e Élysée Montmartre, duas músicas simultâneas no topo do ranking iTunes de World Music, mais de 500 apresentações em festivais por toda a Europa, além de Ásia, África, Austrália e Canadá, cantando as suas próprias composições e sempre em português, a Sony Music traz ao Brasil a artista Flavia Coelho.

 

Brasileira radicada em Paris desde 2006, Flavia Coelho, 38 anos, é hoje a artista brasileira com carreira mais sólida no dificílimo mercado francês de ‘musiques du monde’. Já foi comparada com Mano Chao e elogiada em grandes jornais europeus como Le Monde, Libération e The Guardian.

 

Depois de 12 anos de carreira fora do país, e fãs espalhados não só por Paris, mas por toda a França e Europa, Flavia Coelho faz agora a ponte de volta ao Brasil com lançamento de dois EPs pela Sony Music (selo Novíssima Música Brasileira), com 16 faixas ao todo passando por toda a sua trajetória, incluindo duas versões acústicas inéditas para sucessos no mercado europeu, ‘Quer Vadiar’ e ‘Sunshine’, dois remixes, ‘Por Cima’ e ‘Se Ligue’; uma música exclusiva, ‘Adios’; parcerias com nomes de peso como o baterista Tony Allen e o rapper Speech do Arrested Development, além de dois clipes gravados em Paris para o mercado brasileiro.

 

“Flavia Coelho é uma mulher plural, irrigada de tantos rios e confluências que acaba abraçando o mundo. É uma mistura suave de tudo o que a constitui. E quando este mundo fica apertado nela, Flavia reinventa um novo”, resume Gaël Faye (rapper nascido no Burundi, apontado como promessa da literatura na França, best-seller com seu primeiro livro, ‘Petit Pays’, e parceiro de Flavia em ‘O Dom’ e ‘Balade Brésilliene’), em texto de apresentação para os discos ‘Flavia Coelho Volume 1’ e ‘Volume 2’, com lançamentos marcados para os dias 7 e 14 de dezembro pelo selo Novíssima Música Brasileira da Sony Music Brasil (veja texto na íntegra no fim do release).

 

“É um sonho que se realiza depois de todos esses anos, de risos e lágrimas, poder compartilhar com o meu país natal letras e músicas escritas e cantadas com muito carinho”, diz a cantora no seu primeiro lançamento realizado exclusivamente para o mercado brasileiro.

 

Suas músicas repletas de multiculturalismo, do reggae às batidas eletrônicas, sempre passeando pelo forró, samba ou funk carioca, falam sobre   experiências como a adaptação a uma nova cultura, crítica social, empoderamento, amor… e saudade. Sem tristeza, sem baixo astral. Com toda a energia e calor que fizeram a fama de seus shows correrem primeiro por Paris, depois por toda a França e Europa.

 

“Tento cantar de uma maneira simples, e com palavras muito utilizadas no Brasil e no Nordeste, as gírias brasileiras, e toda essa invenção que tem no português que aparecem o tempo inteiro e é uma coisa que eu sempre gostei de brincar”, conta Flavia sobre como transforma a sua música em algo único e bem representante do Brasil no exterior.

 

Para o jornalista e curador do selo Novíssima Música Brasileira, Marcelo Monteiro, um dos criadores do blog Amplificador do Globo, dedicado aos novos sons brasileiros, Flavia Coelho faz uma trajetória sem igual no mercado europeu.

 

“Morei em Paris por um ano em 2016 com objetivo de apresentar aos franceses os destaques da música contemporânea brasileira e acabei conhecendo e me surpreendendo com o trabalho da Flavia e seu tamanho no mercado de Paris e Europeu. Consegui fazer um pouco da ponte Brasil-França com DJ sets, entrevistas e booking para bandas como Graveola, mas a Flavia sem dúvida foi a grande descoberta. Incrível como uma cantora com esse tamanho e talento é ainda praticamente desconhecida no Brasil. Esperamos agora com lançamento da Sony que suas música, carisma e talento circulem ao máximo pelo mercado brasileiro”.

 

“A fusão de ritmos criada pela cantora e compositora brasileira explica sua repercussão na Europa. Não estranha o sucesso que faz: com charme e suingue, Flavia resume em músicas dançantes aquilo que temos de melhor” (O Globo)

 

“Seu leque se enriqueceu com outras cores rítmicas, como o afrobeat e o ska, e faz shows com casa cheia. Ela tem uma capacidade incontestável de nos deixar de bom humor” (Le Monde)

 

“Uma fatia de puro sol. Flavia Coelho está criando a sua personalíssima versão de world music” (Sunday Times)

 

“Flavia Coelho criou uma das fusões musicais mais animadas e descontraídas do ano” (Guardian)

 

FLAVIA COELHO (por Gaël Faye) 


Flavia percorreu todos os caminhos do mundo, dos morros do Rio de Janeiro até as ruas de paralelepípedo de Paris. Esta nômade se sente em casa em qualquer lugar. Seu refúgio é um ninho aconchegante, uma pupa de borboleta, uma crisálida feita estúdio, o de Victor-Attila Vagh, seu produtor. Um santuário parisiense protegido do tempo que passa e do rumor que corre. No começo, apenas um violão e uma vida inteira a tiracolo. Amigos, amores, encontros, desencontros, alegrias e caminhões de esperanças e risadas.

 

Seu canto ressoou dos cais aos pontos de ônibus, das casas de show aos maiores festivais do mundo. Abracadabra. Ela achou sua varinha mágica e não vai mais soltá-la. Sua música é incandescente como um amor à primeira vista, urgente como um desejo de existir. Ela desdobra seu ser e desenrola sua alma.

 

Cada canção evoca uma ideia de viagem. As melodias são solares, leveza pura, sempre dançantes. Nelas achamos um gostinho de forró e um cheirinho de ragga, a frenesia dos ritmos ska e a indolência do dub e reggae. As músicas se seguem, se ligam, se encaixam e, por fim, se escutam de um só fôlego, como se bebe um copo de milk-shake.

 

Os metais, as guitarras, os teclados, as percussões, as baterias, os baixos e a sanfona se misturam em um todo coerentemente pensado e reforçado pelo trabalho sutil da mixagem de Victor-Attila Vagh que consegue fazer os instrumentos brilharem através de um som moderno e vintage ao mesmo tempo, ao serviço dos coros e da voz de Flavia, carnal, alegre, às vezes até infantil. Tem um gosto de saudade nas letras. Saudade, esta palavra intraduzível, que não é nem tristeza, nem felicidade. São simples demais as caixas, as gavetas e os rótulos. Flavia sempre os contornou, os pulverizou.

 

Flavia Coelho é uma mulher plural, irrigada de tantos rios e confluências que acaba abraçando o mundo. É uma mistura suave de tudo o que a constitui. E quando este mundo fica apertado nela, Flavia reinventa um novo”.

 

Músicas e mais informações:
https://www.flaviacoelhomusic.com/

 

 

Assessoria de Imprensa – Sony Music