DELIA FISCHER LANÇA PRIMEIRO SINGLE EM ITALIANO COM O CANTOR TONY CANTO

“Come Se Fosse Qui” é uma Bossa Nova contemporânea, lançada na Itália e mundialmente como a primeira de uma série de colaborações internacionais.

 

Outros três duetos serão lançados em francês, espanhol e inglês.

                                 

Ouça aqui:  https://youtu.be/yKdAL34rXio

 

 

A cantora e compositora brasileira indicada ao Grammy Latino 2019 Delia Fischer se juntou ao cantor, compositor e produtor italiano Tony Canto para gravar “Come Se Fosse Qui” (“Como Se Fosse Aqui”), uma Bossa Nova contemporânea, que será lançada como single em todas as plataformas digitais.

 

Com lançamento em 3 de setembro, a gravação é a versão italiana da canção original “Samba Minimo”, composta por Delia Fischer e gravada em seu álbum “Tempo Mínimo”, indicado ao Grammy Latino de 2019, agora cantada em dueto com Tony Canto com nova letra em italiano criada por Max de Tomassi, A marcante melodia e o piano, juntamente com as percussões e os loops eletrônicos, e a letra doce-amarga, evocam a saudade de um carnaval de tempos atrás. A gravação será acompanhada de um Visualizer dia 5 de setembro.

 

Tony Canto

 

O siciliano Tony Canto é um nome de prestigio na cena musical italiana e colabora com muitas estrelas nos mais diversos papéis – cantor, compositor, produtor e arranjador. Tem quatro álbuns solo: “Il visionario” (2007), “La strada” (2009 – Leave Music), “Italiano federale” (2011 – Leave Music) e “Moltiplicato”(2016 – Leave Music/Sugar Music), também lançado no Brasil pela DubasMusic, com duetos bilíngues com grandes nomes da MPB.

 

Como produtor artístico e arranjador colaborou nos álbuns de Alessandro Mannarino, compôs e produziu canções para Mario Venuti (inclusive o próximo lançamento dele) e Nina Zilli, e escreveu para o pianista clássico Giovanni Allevi, entre muitos outros.

 

Para o cinema, colaborou nas trilhas sonoras de diversos filmes importantes. Compôs a música de “La Prova”, de Ninni Bruschetta (baseado em Hamlet) e “Ci vuole un fisico”, de Alessandro Tamburini. Sua canção “Ti amo Italia” foi escolhida como tema do filme “Benur”, de Massimo Andrei,e recebeu o prêmio Mario Camerini de 2013. Em 2019 a sua composição “1908” sobre o terremoto de Messina entrou na trilha de “Cruel Peter”, produção da RAI Cinema.  Também produziu música para o teatro, especialmente com o diretor Ninni Bruschetta.

 

Seu amor pela MPB o aproximou de vários artistas brasileiros com quem gravou e colaborou em shows. Seu próximo álbum, gravado em 2020 traz colaboração com vários nomes como Marcelo Costa, Dadi Carvalho, Celso Fonseca e Chico Cesar, e será lançado nos próximos meses.

 

Max de Tomassi tem sido há décadas um entusiasmado promotor da cultura brasileira na Itália. Seu programa “Brasil”, na rádio estatal RAI Uno, é um dos mais ouvidos em todo o país. De Tomassi tem escrito versões em italiano para muitas canções brasileiras famosas nos últimos 20 anos, ajudando seu lançamento por lá, especialmente pela voz de cantores italianos. Ele também promoveu turnês de grandes nomes da MPB tanto em teatros como em festivais de lá. Em 2013 produziu o álbum “InventaRio Encontra Ivan Lins”, que foi indicado do Latin Grammy.

 

“Come Se Fosse Qui” é o primeiro single de uma série de quatro, voltados para o público internacional, que a cantora e compositora carioca vai lançar ao longo dos próximos três meses, em línguas diferentes: italiano, espanhol, francês e inglês. Cada um deles trará uma colaboração com artistas da Itália, Espanha, França e EUA, que ajudarão a aproximar a sua música a um público mais amplo e variado. Delia Fischer dará continuidade a este release com os seguintes singles:

 

  • “Los Mismos Sonidos” (“Mesmos Sons”), versão da música original de Delia, com letra e vocais em duo de Leo Minax, cantor e compositor brasileiro radicado na Espanha;
  • “Mon Temps” (“Meu Tempo”), versão em francês de Aurélie Tyzsblat do original de Delia, em duo com a cantora franco-camaronesa Valérie Ékoumè, que vive em Paris;
  • “Samba Without Summer”, versão de “Samba Sem Verão”, com letras em inglês de Allen Morrison, em que Delia toca piano e canta em duo com o compositor Marcio Nucci, e conta com solos e arranjos de orquestra do violoncelista norte-americano Eugene Friesen.

 

A série de novos singles vem após o último lançamento de Delia Fischer, o álbum “Hoje”.

 

“Meu novo álbum foi produzido durante o longo isolamento forçado pela pandemia. Me dediquei a fazer em casa lives semanais praticamente ao longo de todo o ano de 2020. Elas me conectaram com grandes nomes da MPB e sua música. Me aproximei destes importantes compositores e suas famílias, e também de seus fãs, que entenderam minha emoção de reinterpretar e dar minha personalidade a estas belas canções do Brasil e do mundo.

 

Já os singles em várias línguas, expõem meu desejo de me comunicar e colaborar com diferentes parceiros musicais. Estas novas letras em diferentes idiomas me fizeram mudar o meu jeito de cantar e repensar o que quero dizer em cada uma das canções. Sou muito grata aos versionistas que entenderam o meu desejo e brilhantemente deram nova vida à minha música e também aos collabs que compartilharam comigo os vocais destas novas versões de minha música.”

 

Delia Fischer

 

Indicada ao Grammy Latino 2019 por seu álbum Tempo Mínimo (2019-Labidad), Delia Fischer também recebeu 5 estrelas da Downbeat Magazine como um dos Melhores Álbuns de 2019. Nascida no Rio, a premiada cantora, compositora, pianista, arranjadora e produtora oferece música de amplo alcance, desde a MPB ao electronics, passando pela post-Bossa Nova, o samba e o pop. A sua discografia, disponível nas plataforamas eletrônicas, inclui Antonio (1999-ECM), Presente (2010-Dubas), Saudações Egberto – com obras de Gismonti (2011/2016 – Rob Digital + TuffBeats Japão), Tempo Mínimo (2019 – Labidad), Entre Amigos (2020 – Labidad) e Hoje (2021 – Labidad). Sua carreira discográfica começou com o Duo Fênix (1988 – BMG Ariola, LP), Karai-Eté  (1990 – BMG Ariola e In & Out Records – Europa e EUA) – e consolidou sua reputação como pianista e compositora. Tocou em importantes eventos como Sofia Jazz Festival, Club New Morning de Paris e Montreux Jazz Festival. Seu prestígio como musicista completa lhe garantiu convites e participações como arranjadora e diretora musical em alguns dos mais premiados musicais em cartaz no eixo Rio-São Paulo durante uma década. Paralelamente ela desenvolveu sua carreira e trabalhou com grandes artistas como Marcos Valle, Milton Nascimento, Ed Motta, Toninho Horta, Hermeto Pascoal e Romero Lubambo, assim como com a cantora sueca Lisa Nilsson, o superstar italiano Mario Biondi e o jazzista norte-americano Bob Baldwin. No palco, sua musicalidade revela também uma cantora de voz afinada, charme brasileiro, ideias musicais e som contemporâneo. Em 2019 fez sua primeira turnê solo pela Europa através da Alemanha, Itália e Portugal, culminando no MIMO Festival. A pandemia a fez cancelar a segunda turnê europeia, que previa datas na Alemanha, Áustria e Itália.

 

Créditos de “Come se fosse qui”

 

Vocais: Delia Fischer e Tony Canto

Música e letra: Delia Fischer

Letra em italiano: Max de Tomassi

Produção musical: Sacha Amback e Rodrigo Campello

 

Piano e arranjo: Delia Fischer

Percussão: Marcelo Costa

Vibrafone: Arthur Dutra

Loops: Sacha Amback

 

Gravado nos Estúdios Sarapuí, Rio de Janeiro (Biscoito Fino)

Vocais em italiano gravados no Cor do Sol Studios, Rio de Janeiro (Delia Fischer) e em Messina, Italy (Tony Canto)

Mixagem: Rodrigo Campello

Mastering: Carlos Freitas – Classic Master USA

 

 

 

 

 

 

Com informações: Produção Delia Fischer