Julia Stone lança seu novo álbum “Sixty Summers”

Ouça “Sixty Summers” aqui: https://julia-stone.lnk.to/SixtySummersFA

 

Com o novo disco de Julia Stone vem o brilho da cidade, e todas as suas alegrias e perigos, romances e riscos. Não mais contente em apenas explorar os desertos do folk e do indie-rock, Sixty Summers,  o terceiro passeio solo de Stone, encontra o célebre compositor mergulhando de cabeça no mundo cosmopolita e hedonista do pop noturno e iluminado pela lua. Uma reintrodução deslumbrante à amada Pedra,  Sixty Summers  apresenta as mais raras transformações: não uma metamorfose ou uma reforma barata, mas um derramamento de pele, um revelador. É Stone em seu verdadeiro e mais brilhante eu, um ícone poderoso e reverenciado finalmente pintando-se com seu próprio pincel e sua própria paleta.

 

O escopo de Sixty Summers  é vertiginosamente vasto; a quilômetros de distância do trabalho passado de Stone, é um mundo para si mesmo, uma nova paisagem surreal e de tirar o fôlego. Onde os discos solo anteriores de Stone,  The Memory Machine de 2010 e By  The  Hornsde 2014, aencontraram lutando contra a escuridão natural que vem com o amor demais, Sixty Summers encontra Stone reivindicando cada parte de si mesma: fogo, fúria, amor, luxúria, saudade. Desde as primeiras cepas de abertura e o single principal “Break” — sintetizadores metálicos piscando como estrelas acima, tambores amassados batendo como o chocalho de um vagão de metrô —  Sixty Summers  é um álbum que você pode dançar, um que você pode perder-se completamente.

 

Esta é uma nova qualidade para a música de Stone, mas não uma sem precedentes: desde que ela era jovem, ela tem apreciado as qualidades transformadoras da música que se move. Tocando em pontos de referência tão díspares quanto oavant-funk de Talking Heads (“Break”,) as reflexões românticas das 2h da manhã de Serge Gainsbourg (“Livre”, “Dance”,) e o elegante e extasiado  sintetizador do Melodrama  de Lorde  (“Substância”),  Sixty Summers é um projeto sedutor e  intoxicante, uma coleção de hinos de pista de dança que são igualmente selvagens e afirmadores da vida. “A vida é incrivelmente confrontante para a maioria dos humanos”, diz Stone. “Às vezes, a única coisa que você pode fazer quando é realmente esmagador é dançar ou cantar. Mesmo nos momentos mais sombrios, quando tocamos música, nos sentimos livres.”

 

 

Sixty Summers é rico com esse sentimento de liberdade, uma qualidade feita a partir da emancipação de Stone a partir das técnicas de gravação e produção a que ela estava acostumada. Perfeccionista cansada de ser obrigada aos caprichos de engenheiros externos, Stone constantemente ensinou a si mesma como gravar e comp seus próprios vocais em  ProTools; grande parte da produção vocal em Sixty Summers  é o resultado de sua inovação em D.I.Y.

 

Gravado esporadicamente ao longo de cinco anos de 2015 a 2019, Sixty Summers  foi moldado profundamente pelos principais colaboradores de Stone no álbum: Thomas Bartlett, também conhecido como  Doveman, e Annie Clark, a cantora, compositora e produtora vencedora do Grammy conhecida como St. Vincent. Como ego e id, Bartlett e Clark eram o par simbiótico que Stone precisava para  realizar sua primeira visão pop. Um mago da produção e composição, Bartlett ajudou a persuadir o espírito independente e elementar de Stone,escrevendo egravando mais de 50 demos com ela em seu estúdio em Nova York – em si uma via para luminares de indie rock, alguns dos quais, como Matt Berninger e Bryce Dessner, do The National, acabaram no álbum. “Fazendo este disco com Thomas, eu me senti tão livre. Eu posso ouvi-lo na música”, diz Stone. “Ele traz um senso de confiança para as sessões de gravação.”

 

Clark, por outro lado, foi o yang incisivo para yin de Bartlett, um polímatimo musical afiado que, quando apresentado com o trabalho Bartlett e Stone tinha feito juntos, rapidamente ajudou a moldar Sixty Summers  no álbum que era para ser. Cantando e tocando guitarra no disco, além de seu trabalho de produção, foi o reverenciado toque ácido de Clark que trouxe as faíscas de Stone. “Jules é a melhor”, diz Clark sobre sua experiência trabalhando com Stone. “Sempre gostamos um do outro de longe, mas depois de trabalhar nisso, nos tornamos grandes amigos. Ela é uma garota brilhante, tenaz, perfeccionista, tão inteligente. Todo fogo.

 

Apesar das tendências perfeccionistas de Stone, há uma fluidez, uma liberdade orgânica para Sessenta Verões  que ressoa. Enquanto o álbum é todo brilhante tons de joia e arranjos floridos, Stone nunca soou mais ela mesma no registro; quando ela sussurra “Você não está me dando nada, está me ferrando”, na apaixonada “Substância”, ou exclama “Por que não dançamos?” em “Dance”, parece uma revelação de poder e profunda auto-confiança. E então, é claro, há a imagem mais planente e de tirar o fôlego do disco: a de Stone “vestida como uma rainha, implorando na rua”, em “Queen”. Trata-se de não se vender por nada ou qualquer um”, diz Stone. “É sobre quando nos colocamos em um relacionamento porque achamos que é isso que merecemos, mas na verdade somos da realeza.” “Na verdade, a realeza” seria uma boa maneira de descrever a transformação de Stone em  Sixty Summers: a de um denossos músicos mais notáveis, dando um passo à frente e aceitando seu trono.

 

Saiba mais em: 

 

www.juliastone.com.au

Facebook

Instagram

gorjeio

Spotify

Apple Music

YouTube

Amazon Music

Deezer

 

 

 

 

Com informações: PRESS BMG