Luccas Carlos apresenta álbum de estreia com participações especiais de Lulu Santos e Chris MC

Evidenciando a versatilidade do cantor, disco “jovemCARLOS” já está disponível em todas as plataformas de áudio pelo selo slap, da Som Livre

  

“jovemCARLOS” já existe na cabeça de Luccas Carlos há algum tempo, mas teve que esperar a soma da maturidade e vivências do artista, com os caminhos que ele percorreu até aqui, para desabrochar. O álbum – o primeiro da carreira do cantor – chega hoje, 13 de maio, em todas as plataformas digitais pelo selo slap, da Som Livre – ouça aqui.

 

Luccas Carlos lança “jovemCARLOS” como uma celebração à sua trajetória musical e uma homenagem às suas influências, com referências de samba, trap, garage e muito mais. Com 10 faixas, o trabalho é fruto de colaborações de um time de peso, algo que o cantor foi entendendo a importância durante o processo de composição.

 

Tem tudo aquilo que eu sempre vi na minha vida, está um pouco resumido nesse disco como Zeca Pagodinho, Fundo de Quintal, Kanye West, Chris Brown, um pouco de tudo. Minha influência do garage vem muito por causa da minha irmã, que ouvia muito esse tipo de música. Acho que o fio condutor do disco é justamente a minha versatilidade de poder existir no meio de todas essas referências que eu trago e sem perder a minha cara”, explica o artista.

 

No disco, as parcerias com Lulu Santos e Chris MC aparecem nas faixas “opção” e “mais que isso”, respectivamente. Completam a tracklist “(eu não queria) falar de amor”, “conversa”, “se você deixar” – esta escolhida como faixa foco do álbum e que chega também com um videoclipe no YouTube, assista aqui -, “labirinto” e “marrom”, além das já lançadas “jovem carlos”, “pensado coisas 2” e “incomum”. Luccas, como já citado, ganhou a companhia de nomes de peso também nas composições e produção musical, que contam com Nave, Go Dassisti, Gee Rocha, Pedro Dash, Pedro Breder, Douglas Moda, André Jordão, Vitão, Willsbife, Lotto e Paiva (White Monkey).

Eu espero que geral goste. A gente se divertiu muito fazendo esse disco, brigamos também (risos), mas ele saiu! Nós – eu e todo mundo que trampa comigo – acreditamos muito nesse álbum, ele carrega toda essa força, essa imponência e representatividade. E tive a sorte de ter todo um time no mesmo propósito. Tô muito feliz”, comemora Luccas.

 

Álbum “jovemCARLOS” – Luccas Carlos

Lançamento slap/Som Livre

 

Tracklist:

 

10 faixas

 

1- eu não queria falar de amor

2- conversa

3- jovem carlos (feat. Nave e WillsBife)

4- pensando coisas 2

5- se você deixar

6- labirinto

7- opção (feat. Lulu Santos)

8- mais que isso (feat. Chris MC)

9- incomum

10- marrom

 

Faixa a Faixa de “jovemCARLOS”, por Luccas Carlos:

 

(eu não queria) falar de amor

 

É um samba que eu e o Douglas Moda fizemos. O Douglas já tinha me mostrado esse beat, e eu gostei assim que ouvi. Essa música foi virando meu xodozão, tenho o maior carinho por ela. Eu sou um cara conhecido por falar muito de amor nas músicas, então eu queria trazer um pouco dessa dualidade. Parecia que essa música ia me largar, mas ela voltou, e aí não tem como não falar de amor. É muito complicado, sabe? A música trata muito disso, de eu não querer, mas quando chega na hora é muito difícil resistir.

 

conversa

 

Desde que comecei a lançar músicas, essa vai ser a primeira vez que fiz um beat para uma faixa que está em algum projeto meu. Eu comecei isso com o Vitão na casa dele. Eu estava na brisa de fazer um beat, ele tocou umas doideiras, ficou da hora. Eu estava meio desmotivado, triste, então fiz uma música meio que falando comigo mesmo.

Começou a nascer a música, ela é literalmente uma conversa minha comigo mesmo quando eu mais precisei. Eu encontrei muitas forças nela, foi uma das faixas que puxou essa nova fase do disco. Daí, o Nave deu a cara do beat realmente, ele quem faz beat de verdade (risos), a gente só tava brincando, mas fluiu e eu amo essa música.

 

jovem carlos

 

A terceira faixa é a que leva o nome do disco e é uma das mais antigas do projeto, junto com incomum e opção. Nave me mandou esse beat e já me vieram ideias no dia, então gravei e mandei para ele. O nome dela me marcou muito e pensei: e se esse for o nome do meu disco? Senti no meu coração. Então, é a faixa que deu o nome para o disco e fez jus ao momento, é uma faixa muito importante. E gosto do clipe também.

 

pensando coisas 2

 

Mais uma música do Nave. É uma letra que fiz com o Vitão e é a parte 2 de outra música que fiz com ele também. Ele tocou, cantou e já trouxe um refrão, eu dei uma ideia de beat e fluiu. E fiquei muito feliz, a gente fez um clipão também, com várias imagens de show. É uma vibe de juntar os amigos, fazer uma música da hora no estúdio, deixar a música vir, as ideias virem. E sempre fica melhor com a ajuda do Nave. A gente é muito feliz com essa música! Eu gosto pra caramba dela e acho que não podia faltar no disco.

 

se você deixar

 

É uma música que eu me soltei. Eu estava no estúdio com o Loto, a gente fez a faixa, o Paiva depois mexeu também. Eu procurava uma seriedade nas músicas assim e não deixava o meu eu falar mais alto às vezes. Sinto que nessa música estou bem livrão. Estou falando umas coisas engraçadas, falando mesmo o que estava na cabeça. E, ao mesmo tempo, fazendo uma coisa dançante. Eu estava com saudade de fazer músicas mais dançantes, para tocar nas noites e o pessoal dançar. Eu estava sentindo falta disso nas minhas músicas e acho que a gente mandou benzão nessa. 

 

labirinto

 

Essa música é muito especial. Ela começou comigo, Go e Gee, com uma base deles. O Nave deu essa cara mais trap agora e é uma música que eu gosto muito. Alguns fãs já conhecem da época das lives na pandemia. É uma música especial para mim porque tem um tema muito triste, mas ela é pra cima. Eu sempre quis fazer alguma coisa assim. O tema dela é sobre um término, mas com um “vai ficar tudo bem”. Só que a batida da música não é pra baixo, então a música não é triste mesmo o assunto sendo chato de se falar. Acho que a galera vai gostar muito também. Já me pedem muito, mas acho que vão gostar.

 

opção feat. lulu santos

 

Nem sei como colocar em palavras, mas é uma das faixas mais especiais que eu já fiz na minha vida inteira. Tem a participação do Lulu Santos, que é um ídolo pra mim. Eu fiz essa música com o Dash há exatos cinco anos, um ou dois anos depois eu mostrei pro Lulu. Mas é uma das mais antigas, eu amo essa música. Acho que pude mostrar um lado meu que as pessoas não conhecem e acho que é muito lindo trazer o Lulu pro meu universo dessa forma. É uma letra que ele fez em 2018, então, é uma das mais especiais do disco, de todo o projeto. Pô, não é sempre que você faz uma música com um ídolo assim, com essa magnitude, um cara desse tamanho. Sou muito feliz com “opção”, muito mesmo.

 

mais que isso ft chris mc

 

É uma faixa minha, do Go e do Gee. A gente fez essa música há muito tempo. Na verdade, os caras até me zoavam, falavam que eu nunca ia lançar essa música, mas eu falava “Não, vai chegar, vai chegar.” A versão com o Chris era um remix, era a parte 2 da música praticamente. E quando a gente tava fazendo o disco, eu senti muita falta de uma música assim. Pra mim, leva as pessoas ali para 2017, para as músicas que a gente lançava. Então, acho que tem um pouco dessa nostalgia. Eu falei: “Chris, eu quero botar você na original, irmão, posso?”, ele falou “Pode”. A gente fez o mapa da música de novo e o resultado é esse aí. Eu gosto pra caramba dessa música, amo ela. É algo que a galera pedia muito e eu nunca lançava, mas sempre tive ela comigo.

 

incomum

 

Música muito especial, composição de Pedro Breder. Não sei quantos anos fazem que eu ouvi essa faixa, mas eu falei “Cara, eu vou gravar essa música, ela é minha. Deu super certo, lançamos ela de single. Eu tenho um pouco de dificuldade para falar sobre ela, para mim, ela é o que ela é. Eu nem mexi muito nela, só dei a minha cara. Acho que ela funcionaria de qualquer jeito, é até engraçado. Comigo ou com outra pessoa, é uma música muito boa.

 

marrom

 

É meu xodozão do disco. Acho que é uma das faixas que eu mais me explorei, acho que cheguei longe com ela. É uma composição minha com o André Jordão. Eu lembro de falar para ele: ‘Eu quero fazer um samba com jazz. Se eles tivessem um filho, como seria?’ Aí o André veio com a ideia. E fazia sentido ela ser a última, justamente por ela não ter nada a ver com nada, mas ainda assim dar um norte pra mim, pra minha vida, pra minha carreira. Eu acho que ela vai fazer um barulho.

 

Sobre Luccas Carlos

 

Luccas Carlos é conhecido por seus refrãos românticos e melodias R&B. Compositor de hits, carioca nascido em Laranjeiras, mas foi na Tijuca ouvindo samba, por influência dos seus pais, que cresceu. Sua história na música começa em 2010, ainda no colegial. Em 2011, conhece Luciano Scalercio, seu engenheiro de áudio, em seguida encontra Sain, depois disso foram muitos lançamentos, entre EPs, clipes e parcerias. Luccas Carlos atualmente reside em São Paulo e ganhou grande destaque na cena nacional a partir de 2016, quando apareceu rimando e cantando refrões com sua potência vocal em feat’s com Costa Gold, Rashid, Matuê, BK, entre outras. O artista se firmou como um talentoso cantor, muito além do rap e, portanto, tem uma variedade muito grande de sonoridades em seu repertório, misturando trap, r&b e até pagode.

 

Sua trajetória já conta com uma mixtape, dois EP’s e um álbum ao vivo, todos recheados de participações, além de uma agenda cheia de shows, com participações em edições do Lollapalooza Brasil. É um dos artistas mais influentes da sua geração. Em 2020 entrou para o selo We4 Music, criado pelo empresário Rafael Rossatto, é também uma editora e produtora de áudio para cinema, TV, publicidade e conteúdos de séries, filmes e programas. Formada pelos produtores musicais Douglas Moda e Nave, e com Luciano Scalercio à frente da engenharia de áudio. Em 2021, foi a vez de entrar para o time do slap Music, selo da Som Livre. Em novembro lançou “Jovem Carlos”, e já nas primeiras semanas de janeiro apresentou “Pensando Coisas 2”, ambos singles de seu novo álbum, “luccasCARLOS”, lançado em maio de 2022 pelo slap.

 

Sobre o slap

 

O slap faz parte da vida de quem busca novas experiências musicais e orgulha-se de, desde 2007, fomentar a cena brasileira e também abrir as portas do mercado para novos artistas. Sua missão é potencializar artistas em construção e empoderar nomes independentes, incentivando o midstream e fazendo com que novos sons, originais e arrojados, cheguem a cada vez mais pessoas. O slap carrega em sua história grandes lançamentos de nomes no mercado como Maria Gadú, Ana Vilela, Silva e Scalene. Seus representantes possuem a autenticidade como característica e atualmente fazem parte do time artistas como Di Ferrero, Hodari, Jonathan Ferr, Luccas Carlos, Luthuly, Marcelo Jeneci, Maria Gadú, Marô, Gustavo Bertoni e Scalene.

 

slapmusica

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: Assessoria de comunicação slap – InPress Porter Novelli