Natália Xavier lança segundo single com a palavra-poesia como guiança

“Não Morra de Sede, Meu Amor” conecta artista com suas raízes

 

Paulistana de ascendência nordestina, Natália Xavier faz uma MPB contemporânea cheia de referências teatrais e poéticas em diálogo com sua ancestralidade no álbum de estreia “eu também sou teus rios”. A artista traz coco de roda, maracatu, baião, afoxé em uma mistura única que ganha novos contornos em seu single “não morra de sede, meu amor”. As águas metafóricas que guiam o caminho no disco surgem como acalento e busca por sentidos em uma parceria com o músico Eder Sandoli, guitarrista conhecido por colaborar com nomes como Itamar Assumpção e Tom Zé.

 

Ouça “não morra de sede, meu amor”: https://tratore.ffm.to/naomorradesedemeuamor

 

Vinda da poesia e do teatro narrativo, a criação musical de Natália é imensamente guiada pela palavra e por seu potencial imagético. Em “não morra de sede, meu amor”, a artista, com uma precisão firme e ao mesmo tempo poética, escancara a secura de um sistema e de um modo de existir falidos e, nos convida à construção de novos imaginários. “Talvez um imaginário mais úmido em que a vida prevaleça e nossa potência vital não escorra por aí”, resume ela. Tudo isso por meio de perguntas: ‘Por onde verteu tuas águas nos últimos séculos? O tempo se esgotou meu amor e você por onde verteu? Por onde bebeu do velho algoz até fazer dele teu rei? Tua pressa não te salvou meu amor e você, por onde se perdeu?’

 

Mas é através da canção, do belo encontro de Natália com o músico Eder Sandoli, que a força do verbo revela toda sua potência. Tendo como ponto de partida o coco de roda, já que a artista faz questão de resgatar sua ancestralidade nordestina, o arranjo ganha uma roupagem moderna ao estilo de Alceu Valença, Lenine e Zeca Baleiro. A música começa com um solo de pandeiro e em seguida entra a guitarra, com sua natureza quente e cortante, quase como uma segunda personagem em diálogo com a voz da cantora.

 

Multiartista nascida em 1991 em São Paulo, Natália Xavier é raiz-nordeste. O pai, baiano. A mãe, pernambucana: “o que pulsa no sangue é importante”, ela diz. Artista visual, mestranda em Artes pela Unicamp, atriz, cantora, escritora e astróloga tradicional, agora gesta suas próprias composições para lançar em breve seu primeiro álbum autoral “eu também sou teus rios”. Este também é o título do primeiro single já revelado, uma poesia-manifesto em torno da simbologia das águas e também um convite à vulnerabilidade como potência. Parida a partir do ritmo do coco de roda, a faixa contou com a participação criativa do percussionista Rogério Nascimento, do pianista Claudio Tegg e do violonista Marcelo Lemos.

 

Agora, Natália Xavier busca novas paragens, rumos e nascentes. “não morra de sede, meu amor” está disponível nas principais plataformas.

 

Ficha técnica

 

composição: Natália Xavier e Eder Sandoli

intérprete: Natália Xavier

guitarra, violão e baixo: Eder Sandoli

Teclados: Claudio Tegg

Percussão: Rogério Nascimento

Mix: Douglas Pardini

Master: Julio Soares

Produção musical: Eder Sandoli

Produção executiva:  Desalinho Produções

Fotos: Duda Portella

Distribuidora: Tratore

Assessoria de imprensa: Build Up Media

 

Letra

 

Importante é

revisitar os trajetos

Rascunhar a todo instante

um percurso em que as pragas

(aquelas de dentro da tua cabeça)

não te alcancem

 

Rememorar

cada detalhe das vezes

em que quase morremos de sede – de sede

As obrigações, instituições

fálicas (falidas)

violentando toda ternura

rasgando o peito ao meio

alargando a fissura

 

Por onde verteu tuas águas nos últimos séculos?

O tempo se esgotou, meu amor

E você, por onde verteu?

 

Por onde bebeu do velho algoz até fazer dele teu rei?

Tua pressa não te salvou meu amor

E você, por onde se perdeu?

 

Acompanhe Natália Xavier:

https://www.instagram.com/natalia.xxavier/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: BUILD UP MEDIA