ORQUESTRA AFROSINFÔNICA lança ORIN A Língua dos Anjos

Ouça aqui –  https://links.altafonte.com/orin

 

Vídeo –  https://youtu.be/nv-b1kF5Ha0

 

A Orquestra Afrosinfônica lançou seu segundo álbum, “Orin”. Criada em 2009 pelo maestro Ubiratan Marques, a Afrosinfônica é composta por 22 músicos com percussão, madeiras, metais, cordas e vozes femininas.

 

“Orin nasce do olhar da Afrosinfônica sobre nossa ancestralidade, das conversas com Seo Mateus sobre espiritualidade. ´Essa brisa que nos mantém/Ponte entre o Orum e o Aiyê/Essa saudade de onde vem?/Vem do fundo da alma´”. (Maestro Ubiratan Marques)

 

Produzido por André Magalhães e co-produzido por Ubiratan Marques, “Orin” (canção, na língua iorubá) traz seis músicas inéditas compostas pelo maestro com Mateus Aleluia, que participa em três, além de canções com o angolano Dodo Miranda e os baianos Gerônimo, Lazzo Matumbi e BaianaSystem.

 

“Maestro Bira Marques é uma parceria que já estava escrita nas estrelas. Há situações que não determinamos e essa é uma delas. Antes de conhecer o maestro nós já fazíamos músicas juntos. Tudo começa na espiritualidade e nós fazemos assim. Parceiro de ontem, parceiro de hoje, parceiro de sempre”. (Mateus Aleluia)

 

A arte da capa é de Vik Muniz com técnica de intervenção sobre registro fotográfico de ensaios da Orquestra, na Casa da Ponte Maestro Ubiratan Marques (Largo do Pelourinho, Centro Histórico de Salvador), onde o artista plástico esteve presente após conhecer a Afrosinfônica pelas redes sociais.

 

“A música de Ubiratan Marques me interessou logo de início talvez pelo meu interesse em mosaicos. Toda música orquestral tem essa qualidade de mosaico, de relação entre uma complexidade de fragmentos e a harmonia de um todo. No caso da Orquestra AfroSinfônica e particularmente no caso de ORIN, A Língua dos Anjos, este aspecto de mosaico transcende as fronteiras formais da música, e se desenrola nas experiências pessoais, nas vozes, nos estilos, nos tempos, nas línguas e nas culturas. Ubiratan Marques evoca a ambição poética de harmonizar a rica cacofonia das experiências em uma linguagem divina. A língua dos anjos é esse complexo mosaico de fragmentos humanos. A obra da capa reflete esta experiência e a oportunidade de trabalhar com artistas notáveis como Ubiratan e Cartaxo foi extremamente enriquecedora. Eu sempre procuro ´enxergar´ o que estou escutando; ORIN é como um riacho coberto de milhares de folhas coloridas pelo outono, formando e dissipando elegantes formas quase que simultaneamente. Formas dinâmicas, fluidas, modernas e ao mesmo tempo ancestrais. ORIN me faz pensar em Heráclito, na ideia que tudo está em fluxo e é impossível pisar no mesmo rio duas vezes, mesmo que este rio tenha estado ali desde o começo dos tempos”. (Vik Muniz)

 

Lançamento do selo Máquina de Louco do BaianaSystem.

 

Faixas:

 

Orin

Orixá (Dedicado a Meu Pai, José Marques)

Mameto Kalunga

Onde Estão as Borboletas

Nabaleli Yo

Maracatu do Congo

Meu Caminhar

Água

Eu multidão

Reza

Espiritual

Canto de Verônica

 

Orquestra Afrosinfônica: 

 

Ubiratan Marques: Regência e Piano Acústico em todas as faixas.
Todos os arranjos são de Ubiratan Marques, exceto na faixa 3 Gerônimo e Ubiratan Marques.

 

Nilton Azevedo: Flauta  em todas as faixas e Flautim na faixa 6.
Júlio Sant’Anna: Flautas em todas as faixas.
Indira Dourado: Clarinete em todas as faixas.
Renata Pitanga: Clarinete em todas as faixas.
Léo Couto: Sax Alto em todas as faixas.
Tukano: Sax Tenor em todas as faixas,
Vinícius Freitas: Sax Barítono em todas as faixas e solo de Sax Soprano na faixa 11 (Chefe de naipe).
Everaldo Pequeno: Trompete/ Fluguelhorn em todas as faixas (Chefe de naipe).
Carlos Cardoso: Trompete / Flugelhorn  em todas as faixas.
Gilmar Chaves: Trombone em todas as faixas.
Toni Jaonitã: Trombone em todas as faixas.
Carlos Eduardo: Tuba em todas as faixas.
Ângelo Santiago: Contrabaixo acústico nas faixas 10 e 12.
Marcus Sampaio: Contrabaixo acústico nas faixas 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 11.

 

Tâmara Pessôa: Voz em todas as faixas. Solo na faixa 7 e 11 (Chefe de naipe).
Djara Mahim: Voz em todas as faixas.
Dinha Dórea: Voz em todas as faixas.
Raquel Monteiro: Voz em todas as faixas. Solo na faixa 9.

 

Lucas de Gal: Percussão em todas faixas (Chefe de naipe).
Marcelo Tribal: Percussão em todas faixas.
Nem Cardoso: Percussão em todas faixas e Voz solo na faixa 6.
Jason Wild: Percussão em todas faixas.

 

Músicos convidados:

 

Aquim Sacramento: Tímpanos, Marimba, Vibrafone, Xilofone, Sino tubular e Pratos  nas faixas 1-4-5-7-8-9-11 e 12.

Juraci Tavares: Coro na faixa 6.

 

 

Com informações: Bebel Prates Assessoria de Comunicação