RODA_FLOR | Novo disco do cantor e violoncelista LUI COIMBRA

Novo disco do cantor e violoncelista apresenta um país belo e diverso, que brota teimoso em explosão de cores e afetos. Trabalho, que tem participação especial de Zeca Baleiro e Naná Vasconcelos (In Memoriam), está disponível neste 23 de junho em todos os aplicativos música, pela Biscoito Fino

 

OUÇA AQUI O NOVO ÁLBUM 

 

De sua perspectiva urbana e litorânea, o carioca Lui Coimbra sabe olhar para dentro do Brasil — e entender os ritos, a lógica, o tempo que rege esse terreno vasto. Conhece a ciência de chegar, que Caetano Veloso resumiu como “sempre pedir licença mas nunca deixar de entrar”. É exatamente dotado dessa sabedoria que Lui abre seu novo álbum, RODA_FLOR, com a canção “Dona tá Reclamando” (Dominguinhos Minguinho). Seus primeiros versos, “Dona tá reclamando / Porque nós tamo chegando agora / Eu acho impossível, dona / Sempre se chegar na hora”. É assim que tem início o giro das pétalas que compõem o colorido do disco, passando por Marisa Monte, Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos, Mário Quintana, Villa-Lobos e Ferreira Gullar.

 

Ao ritmo do boi do Maranhão, “Dona tá Reclamando” traz a consciência poética do real, crua e delicada como a música de Lui e dá o recado para quem acha que demorou muito entre seu primeiro e incensado disco solo “OURO e SOL” e este “RODA_FLOR”: a hora de chegar é a hora que se chega. Em sua afirmação de um país belo e profundo, o novo álbum se apresenta em diálogo preciso com este 2023, sem atraso ou adianto.

 

— “Dona tá Reclamando” está comigo há muito tempo no repertório dos meus shows. Conheci quando tocava com a Orquestra Popular de Câmara — conta o músico, citando um dos muitos trabalhos de uma carreira de bem-sucedida como instrumentista, que inclui show e gravações com Caetano, Wagner Tiso, Zeca Baleiro, Ana Carolina, Ney Matogrosso, Zizi Possi, Alceu Valença, entre tantos outros.

 

Na atual gravação de “Dona tá Reclamando”, Lui canta e toca violoncelo, violão, piano, teclados e percussão.

 

— São sons de um Brasil profundo, mas visto pela minha lente, de um cara urbano, do Rio, contemporâneo — aponta Lui, numa definição que pode se expandir para todo o álbum.

 

É um universo similar ao que se materializa em “A Ciranda Rodava o Mundo” (poema de Mário Quintana musicado por Lui). Aqui a sonoridade é ainda mais ampla, com os timbres eletrônicos dos teclados e samplers cruzando-se à caixa de Marcos Suzano, ao contrabaixo de Pedro Aune e ao violoncelo do anfitrião. Os versos do poeta imaginam uma ciranda (música-dança) que determina os movimentos do mundo, entrelaçando em sua fabulação homem e natureza, mito e cotidiano — terreno da arte de Lui.

 

Com versos de outro poeta (o português Tiago Torres da Silva) também musicados por Lui, “Seguir o Fado” narra a saga da existência, do nascimento à morte, com as paixões no caminho. A continuidade, enfim, do destino — ou fado, como diz a canção. O bandolim de acento luso de Sergio Chiavazzoli pontua a gravação, que ganha densidade com a participação da Orquestra de Cordas de São Petersburgo.

 

Construída apenas na voz e no lindo desenho do violoncelo de Lui, a clássica “Melodia Sentimental” (Heitor Villa-Lobos / Dora Vasconcelos) soa — numa inversão da síntese exposta anteriormente — refinamento de chão de terra batida em sala de concerto. Mágica e interiorana,  sertaneja e universal.

 

Após a pungência da noite de Villa, “Tá Caindo Flor”, que Lui escreveu a partir de um refrão popular, sonha com a alegria de uma chuva de flores sobre um batuque de maracatu. A rabeca de Beto Lemos se harmoniza pernambucanamente e sem fronteiras aos teclados e programações de Lui, à percussão de Suzano, às guitarras de Chiavazzoli e ao contrabaixo de Aune. Como benção a todos, ouve-se a caixa tocada por Naná Vasconcelos — a quem a faixa é dedicada.

 

— Tinha essa caixa gravada de um outro projeto que fizemos juntos — conta Lui, que teve um duo com Naná por dez anos, até sua morte, em 2016. — Toquei com ele em seu último show. Naná tinha que estar no disco, comecei a pensar o que viria a ser o “RODA_FLOR” antes de ele partir.

 

A alegria segue no divertido samba “Companheiro Fiel — O Gatinho”, que também nasce de um poema, desta vez de Ferreira Gullar. Os versos dedicados ao gato do poeta soam leves no dueto de Lui com Baleiro. A canção traz, no contexto reduzido de um apartamento, o olhar terno sobre o cotidiano e a intimidade que atravessa muitas faixas de “RODA_FLOR”, desde o nome.

 

Samba enredo no qual cabem a batucada nervosa (de Suzano), ponteios de samba rural nas violas e graves eletrônicos (de Lui) e cavaquinhos e guitarras (de Tuca Alves), “Graça” é brinquedo poético e filosófico. A canção, escrita por Lui, tem versos como:  “Graça, gracinha, gracejo, gratidão / A graça é o olhar de quem ama / A cama do vento é o mar / Se o olho do gênio é a ama / De deus o que é que será?”.

 

Dedicada a Hilda Hilst (outra poeta celebrada no disco), “Valsa Para a Senhora D” (Lui Coimbra / Zeca Baleiro) se ergue errática e bela como o pensamento de seu eu-lírico. A flor aqui roda noutra direção: “Flor despetalada e sem dono / O amor, um cravo no meu coração”.

 

“Quanto Tanto (Canção da Lua Cheia)”, de Lui, retoma o olhar para o astro que ilumina a noite de “Melodia Sentimental”. A moringa e a percussão de Edu Szajnbrum — ao lado do violão, violoncelo, teclados e programações de Lui — preparam o solo para os versos sobre a mecânica mística e amorosa do mundo.

 

Outras lendas lunares são evocadas em “Avalon”: Lui está sozinho na composição e na gravação, um seresteiro  solitário eletrônico, multiplicando-se em violões, teclados e samplers, num arranjo que dialoga com a tradição do rock progressivo mateiro brasileiro, resgatando a tradição dos poetas do sereno,  ou serenateiros, “um bardo, um honrado, ser-rei” que cantam para suas amadas sob o manto de prata das noites imemoriais.

 

“RODA_FLOR” desagua, por fim, em “O Rio” (Marisa Monte / Seu Jorge / Carlinhos Brown / Arnaldo Antunes), em arranjo minimalista de violão e charango andino que ressalta a poética da canção que nos lembra que a ciência, assim como a natureza, deve ser observada em tempos incertos. Ponto de chegada que é memória e futuro, o rio da canção traz uma metáfora do fluxo da vida cujo leito corta todo o álbum. “Lembra, meu filho, passou, passará / Essa certeza a ciência nos dá / Que vai chover quando o sol se cansar / Para que flores não faltem / Para que flores não faltem jamais”, encerra a letra, plantando as cores da terra que Lui imagina e realiza em música.

 

Por Leonardo Lichote

 

LUI COIMBRA é cantor, violoncelista e compositor. Faz parte da tradicional linhagem dos “cantautores” brasileiros, mas com um diferencial: o violoncelo a tiracolo. Lançou  “OURO e SOL” (2003)  e  “VIOLA PERFUMOSA” (com Ceumar e Paulo Freire), em 2018. Como instrumentista, seu violoncelo popular e peculiar pode ser ouvido em mais de três centenas de gravações e shows com artistas como Alceu Valença, Ana Carolina, Caetano, Zizi Possi e Ney Matogrosso. É arranjador e diretor musical do premiado álbum “Senhora das Folhas”, de Áurea Martins (indicado ao Latin GRAMMYs 2022), e compositor premiado de trilhas para TV, teatro e cinema. Todas estas suas múltiplas facetas estão presentes em “RODA_FLOR”.

 

FICHA TÉCNICA 

Álbum “RODA_FLOR”, de Lui Coimbra

 

Direção Musical e Arranjos: Lui Coimbra
Design da Capa: Rafael Abrahamian Grecco

Foto da Capa do Álbum: Leonardo Aversa

Direção de Produção: Renata Grecco

Gravadora: Biscoito Fino

Assessoria de Imprensa e Redes Sociais: Miriam Roia e Vivi Drumond

Realização: Aquarela Carioca Produção de Arte e Biscoito Fino

 

FAIXAS

Álbum “RODA_FLOR”, de Lui Coimbra

 

  1. DONA TÁ RECLAMANDO

(Dominguinhos Minguinho)

Lui Coimbra: voz, violoncelo, violão, piano, teclado e percussão

 

  1. A CIRANDA RODAVA O MUNDO

Poema de Mário Quintana. Música: Lui Coimbra

Lui Coimbra: voz, cello, violões, teclados e samplers

Marcos Suzano: caixa

Pedro Aune: contrabaixo

Coro Tá Caindo Flor: Fernando Neder ,Clara Neder, Diana Cordeiro, Hanna Lima, Ananda Fabres, Lea Fabres, Jorge Cardozo, Celly Freitas, Luciana Meirelles, Thomaz Meirelles,e Bianca Leão

 

  1. SEGUIR O FADO

(Lui Coimbra / Tiago Torres da Silva)

Lui Coimbra: voz, violões, violoncelo solo, arranjo de cordas e percussão

Sergio Chiavazzoli: bandolim

Pedro Aune: contrabaixo

Orquestra de Cordas de São Petersburgo. Regência: Maestro Kleber Augusto

 

  1. MELODIA SENTIMENTAL

(Heitor Villa Lobos / Dora Vasconcelos)

Lui Coimbra: voz e violoncelo

 

  1. TÁ CAINDO FLOR

De Lui Coimbra, sobre refrão de domínio público

Dedicada a Naná Vasconcelos

Lui Coimbra: voz, violões, teclados e samplers

Naná Vasconcelos: caixa

Marcos Suzano: percussão

Beto Lemos: rabeca

Sergio Chiavazzoli: guitarras

Pedro Aune: contrabaixo

Coro Tá Caindo Flor + Estrela Blanco, Gaby Porto, Nina Reis, João Alves e Jules Vandystadt

 

  1. COMPANHEIRO FIEL – O GATINHO 

Poema de Ferreira Gullar. Música: Lui Coimbra

Lui Coimbra: voz e violão

Zeca Baleiro: voz (participação especial)

Marcos Suzano: percussão

Sergio Chiavazzoli: bandolim

Jules Vandystadt: arranjo vocal

Coro: Estrela Blanco, Gaby Porto, Nina Reis, João Alves e Jules Vandystadt

 

  1. GRAÇA

(Lui Coimbra)

Lui Coimbra: voz, violão, violas e samplers

Marcos Suzano: pandeiro e percussão

Tuca Alves: cavaquinho e guitarras

Pedro Aune: contrabaixo

 

  1. VALSA PARA A SENHORA D

(Lui Coimbra / Zeca Baleiro)

Dedicada a Hilda Hilst

Lui Coimbra: voz, violoncelo, violões, teclados e samplers

Pedro Aune: contrabaixo

 

  1. QUANTO TANTO (CANÇÃO DA LUA CHEIA)

(Lui Coimbra)

Lui Coimbra: voz, violoncelo, violões e teclados

Edu Szajnbrum: moringa e percussão

 

  1. AVALON

(Lui Coimbra)

Lui Coimbra: voz, violões, teclados e samplers

 

  1. O RIO

(Marisa Monte / Seu Jorge / Carlinhos Brown / Arnaldo Antunes)

Lui Coimbra:  voz, violão e charango

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações: Assessoria de Comunicação | Lui Coimbra

SOMAR COMUNICAÇÃO INTEGRADA

#SIGA NO INSTAGRAM
Hoje (07/09), é aniversário do cantor, compositor, ator e vocalista da banda Cidade Negra, Toni Garrido @tonigarridooficial que completa 56 anos.

#tonigarrido #cidadenegra #boomerangmusic #happybirthday
Hoje (07/09), é aniversário da cantora, compositora guitarrista Chrissie Hynde @chrissiehyndemusic que completa 72 anos.

Vocalista da banda The Pretenders @thepretendershq 

#thepretenders #chrissiehynde #boomerangmusic #happybirthday
SORTEIO!
>>> GANHE 3 PARES DE INGRESSOS - PDDM POR DENTRO DA MÚSICA ESTREIA COM SHOW DO COMPOSITOR E TECLADISTA HENRIQUE PORTUGAL @ahportugal
E SOLAR BIG BAND.

PARA OS DIAS 15, 16 e 17 DE SETEMBRO, NO TEATRO UNIMED, EM SÃO PAULO.

1 PAR DE INGRESSOS POR NOITE

Para participar:

1. Siga @boomerangmusicoficial  e @teatrounimed

2. Marque nos comentários quem você quer levar para o show

3. Deixar o perfil aberto

O resultado sairá na quinta-feira (14/09). Boa sorte!

Obs.: Despesas com trajeto, hospedagem e alimentação são de responsabilidade dos ganhadores.

Serão quatro ganhadores, cada um com um par.

#teatrounimed #boomerangmusic #promoção #sorteio
Hoje (06/09), é aniversário do cantor, compositor e baixista Roger Waters @rogerwaters que completa 80 anos.

Um dos fundadores da banda Pink Floyd @pinkfloyd 

#rogerwaters #boomerangmusic #happybirthday #pinkfloyd
Hoje (06/09), é aniversário do guitarrista e compositor Paul Waaktaar-Savoy @waaktaarpal da banda A-Ha @officialaha que completa 62 anos.

#aha #boomerangmusic #happybirthday #paulwaaktaarsavoy
Hoje (05/09), é aniversário do saudoso cantor e compositor Freddie Mercury @freddiemercury que completaria 77 anos.

Um dos maiores artistas do mundo da música e vocalista da banda Queen. 

#freddiemercury #happybirthday #boomerangmusic