TORI AMOS LANÇA SEU NOVO ÁLBUM, “OCEAN TO OCEAN”

A cantora, compositora e pianista norte-americana Tori Amos apresenta hoje seu novo álbum, Ocean to Ocean, em todas as plataformas digitais.

 

Ouça e baixe aqui: https://umusicbrazil.lnk.to/OceantoOceanPR .

 

Tori Amos nunca iria gostar de um bloqueio. Ela toca ao vivo desde os treze anos. Ela divide sua vida entre a Cornuália, na Europa, a Flórida, nos EUA, e a estrada. Suas canções são escritas com o ato de viajar e observar. Seu último álbum de estúdio, “Native Invader”, de 2017, reuniu quatro vertentes impossivelmente díspares – uma viagem pelo Tennessee, histórias inspiradas em seus ancestrais, a ascensão de Donald Trump e a perda lenta de sua mãe devido a um derrame – com uma energia e coesão que fez sua pele arrepiar. Mas sem música ao vivo, viagens e muito mais para observar, Amos teve uma pandemia difícil. Escondida na Cornuália, ela atingiu um local de crise pessoal familiar para qualquer um que sofreu durante o terceiro bloqueio no Reino Unido – aquele no inverno, que pareceu durar para sempre …

 

Contra todas as probabilidades, essa crise resultou em “Ocean to Ocean”, o trabalho mais pessoal de Amos em anos – um álbum repleto de calor e conexão, com raízes profundas em suas primeiras composições. Ela desceu a um estado emocional mais baixo do que há muito tempo – mas as profundezas se tornaram criativas, forçando um retorno ao tipo de introspecção que ela reconheceu em seu álbum de estreia, “Little Earthquakes”.

 

Este é um registro sobre suas perdas e como você lida com elas. Felizmente, quando você vive o suficiente, pode reconhecer que não está se sentindo a mãe que deseja ser, a esposa que deseja ser, a artista que deseja ser. Percebi que para mudar isso você tem que escrever do lugar onde está. Eu estava no meu próprio inferno particular, então disse a mim mesma, então é de onde você escreve – você já fez isso antes…”, diz Tori.

 

Escrito entre março e o verão deste ano, “Ocean to Ocean” é uma história universal de como ir ao fundo do poço e se renovar novamente.

 

Na Cornuália, Tori estava cercada por aqueles que amava – seu marido Mark, a filha adulta Tash e seu namorado. Para um disco escrito dentro de um ambiente limitado, duas coisas são notáveis ​​- sua rica variação estilística, do tango ao romance da tela cinematográfica e o grande coração das canções, que correm quase como uma série de cartas de amor para familiares presentes e ausentes. É, em certo sentido, seu registro mais pessoal: a obra de arte diz tudo, com Amos filmada nos penhascos e nas cavernas na costa sudoeste do condado.

 

Se você processou coisas problemáticas viajando, isso foi retirado da mesa. Meu padrão tem sido pular em um avião e ir para os Estados Unidos. Eu viajaria apenas para ter novas experiências. Tive que encontrar uma cadeira e ‘viajar’ como fazia quando tinha cinco anos – na minha cabeça”, diz a cantora.

 

Uma sensação de deslocamento, tanto geográfico quanto emocional, está presente na faixa-título, cujo drama se passa nas costas do Reino Unido e dos Estados Unidos. É uma canção de parentesco e amor, sobre nos apegarmos uns aos outros em tempos destrutivos com uma urgência melancólica que ouvimos no trabalho de Amos desde o início.

 

Eu me comprometi a tentar olhar as coisas de uma forma que me levasse ao empoderamento”, diz Tori. “Mas o que é poder? Às vezes, você ainda não está pronto para se levantar – você deve começar sentando-se no chão. Todos nós tivemos momentos que podem nos derrubar. Este registro fica com você onde você está, especialmente se você estiver em um lugar de perda. Fico fascinado quando alguém passou por uma tragédia e como eles lidam com sua dor. É aí que está o ouro. Quando alguém está realmente naquele lugar, pensando ‘terminei’, como você alcança essa pessoa? Não se trata de um comprimido ou uma dose dupla de tequila. É sobre sentarmos juntos na lama. Eu vou te encontrar na lama”, diz Tori.

 

Tori compartilhou recentemente a emocionante faixa “Speaking With Trees”, que teve ampla aclamação de mídias como Rolling Stone, Pitchfork, Stereogum, NPR “New Music Friday”, SPIN, MTV Consequence e muitas mais. No último dia 14 de outubro, a cantora revelou o humor e a leveza do álbum com o single “Spies”, impulsionado por baixo e bateria locomotiva e a produção pop exuberante de Tori. Com muitos pais tendo uma experiência relatável em casa com seus filhos durante os confinamentos de Covid, a música é um relato cativante sobre os morcegos e outros rastejadores que entraram na casa da Cornualha aterrorizando à noite sua filha Tash.

 

Desde o lançamento de seu primeiro álbum solo, “Little Earthquakes”, que definiu sua carreira, e seu álbum número 1, “Under The Pink”, Tori Amos tem sido uma das artistas mais duradouras e engenhosas da indústria musical, com três álbuns no Top 10 e o single de sucesso global “Professional Widdow”, que permaneceu no Top 40 por 15 semanas impressionantes e continuou a arrasar nos clubes por mais de uma década. Tori transcendeu do sucesso comercial pop para usar sua música para lidar com questões sérias em torno do gênero feminino, posteriormente pavimentando o caminho para uma geração de jovens popstars ativistas femininas. De sua descrição visceral de agressão sexual em “Me and a Gun” e seu álbum pós-11 de setembro, “Scarlet’s Walk”, até seu musical de palco decididamente feminista “The Light Princess”, seu trabalho nunca se esquivou de misturar o pessoal com o político. Com um reconhecido trabalho humanitário, Tori foi a primeira voz pública da RAINN (Rede Nacional de Estupro, Abuso e Incesto), que é a maior organização contra ataques sexuais dos Estados Unidos, e continua a ser membro de seu Conselho de Liderança Nacional.

 

Uma pioneira em várias plataformas, o segundo livro de Tori Amos, “RESISTANCE”, um bestseller do New York Times, foi lançado em 2020. “Unrepentant Geraldines” foi seu oitavo álbum de estúdio a estrear no Top 10 da Billboard 200 Chart. Seu musical de palco decididamente feminista “The Light Princess” estreou em nº 2 na Broadway Billboard Chart. Nomeada para vários prêmios Grammy, Tori foi a primeira grande artista a oferecer um single para download, teve suas canções transformadas em histórias em quadrinhos e produziu vídeos inovadores ao longo de sua carreira. No final de 2016, ela lançou a música-título “Flicker” para o aclamado documentário da Netflix “Audrie and Daisy”, abordando questões de estupro no colégio.

 

Tori Amos fará uma turnê pelo Reino Unido no início de 2022. A turnê começa em 11 de março, com  duas noites no prestigioso London Palladium, seguida pela O2 Academy de Glasgow, no dia 14, e pela O2 Apollo de Manchester, no dia 15. Para mais informações e ingressos, visite www.toriamos.com .

 

 

 

 

 

 

 

 

Com informações:  www.universalmusic.com.br

 Universal Music Brasil :: Departamento de Imprensa e Comunicação / PR