Arlo Parks lança novo single acompanhado por clipe; ouça “Hurt”

Lançada pelo selo Transgressive, faixa aborda temas como a cura da dor e sofrimento

 

Hoje, a artista britânica Arlo Parks compartilha seu novo single “Hurt”, junto com o clipe que o acompanha, que foi dirigido pela colaboradora de longa data Molly Burdett (“Black Dog” “Sophie’, ‘Super Sad Generation”). “Hurt” – estreada como a Hottest Record no Annie Mac’s BBC 1 Radio show – é uma faixa linda que enche o ambiente de emoção de uma maneira que apenas Arlo consegue, seus vocais suaves amplificados por um poderoso interlúdio falado conforme a música avança. Arlo comenta sobre a faixa, “‘Hurt’ envolve a possibilidade de cura da dor e a natureza temporária do sofrimento. É para elevar e confortar aqueles que estão passando por tempos difíceis.

 

Ouça no link abaixo.

 

Ouça “Hurt” | Assista “Hurt

 

“Hurt” segue o single “Black Dog” de Arlo, que acumulou cerca de 10.000.000 streams em todo o mundo e atingiu a Lista A na BBC Radio 1 e na BBC 6Music simultaneamente por semanas a fio. Arlo também cantou a música ao vivo no Pyramid Stage como parte da cobertura do Glastonbury deste ano. Recentemente, sua graça virou capa da NME, além de ser incluída na lista 2020 Dazed 100. No AIM Independent Music Awards da semana passada, ela ganhou o primeiro lugar na categoria One to Watch.

 

As faixas sucedem sua primeira música do ano “Eugene” e um fenomenal 2019 que viu o lançamento de dois EP’s Sophie e Super Sad Generation. Arlo também lançou recentemente um cover de “Creep” do Radiohead como parte do próximo curta-metragem de Tom Dream, Shy Radicals. O cover é um esforço para continuar solidário com outras pessoas que enfrentam desafios com a introversão. Cuidar da saúde mental é uma questão muito importante para Arlo e o cover  foi compartilhada logo depois de “Black Dog”, uma música que Arlo diz ser “supostamente para fazer as pessoas que estão lutando se sentirem menos isoladas e iniciar uma conversa sobre a prevalência de doenças mentais no mundo de hoje“. Além disso, Arlo Parks foi recentemente anunciada como embaixadora da instituição de caridade CALM para saúde mental.

 

As composições de Arlo fizeram com que ela ganhasse novos fãs como Phoebe Bridgers, Loyle Carner, Angel Olsen e Snail Mail, entre outros. Hayley Williams pediu à jovem artista para fazer uma turnê com ela pela Europa e América do Norte assim que a turnê recomeçar em 2021. Parks passou o verão dando os toques finais em seu álbum de estréia, mais notícias do qual virão em breve.

 

Sobre Arlo Parks:

 

Em um nível pessoal, Parks lutou com sua identidade enquanto crescia; uma criança que era super sensível e “nada legal”, ela disse que era como: “Eu sou uma garota negra que não sabe dançar, ouço música emo e atualmente tenho uma queda por uma garota na minha aula de espanhol.” Quando ela chegou aos 17 anos, ela raspou a cabeça, descobriu que era bissexual e produziu / escreveu material suficiente para um álbum.

 

Crescendo no sudoeste de Londres, meio nigeriana, um quarto chadiana e um quarto francesa, Arlo Parks aprendeu a falar francês antes do inglês. Uma criança quieta, ela escreveria contos e criaria mundos de fantasia, depois registrou no diário e depois ficou obcecada por poesia falada, lendo poetas americanos como Ginsberg e Jim Morrison e assistindo as performances do velho Chet Baker no YouTube. Hoje em dia, ela se refere a Nayyirah Waheed, Hanif Abdurraqib e Iain S. Thomas como seus poetas modernos favoritos, e está claro que suas obras são tão influentes em suas composições quanto qualquer músico. Livros também, como The Bell Jar de Sylvia Plath e Norwegian Wood de Haruki Murakami. Parks diz: “A maneira como Murakami escreve naquele livro é como eu aspiro escrever minhas canções; corajosa, sensível e humana“.

 

‘Water’ de Fela Kuti e ‘Sittin On The Dock Of The Bay’ de Otis Redding fizeram a trilha sonora da infância de Arlo Parks, mas foi aos 13 anos que ela descobriu King Krule; um artista que influenciaria fortemente a música que ela escreve hoje. Mais tarde, ouvindo mais hip-hop (de Kendrick Lamar, MF Doom e Earl Sweatshirt aos sons mais confessionais de Loyle Carner) e rock (Jimi Hendrix, Shilpa Ray e David Bowie), bem como os sons contidos e doloridos de Keaton Henson, Sufjan Stevens e Julien Baker, Parks explica, “Eu escreveria histórias tão detalhadas que você poderia prová-las, enquanto mantinha a energia e a vida do hip-hop que eu amava.” Há uma qualidade visual, quase cinematográfica, em sua escrita também, que nasceu de seu amor por filmes de terror, streetwear e arte abstrata.

 

 

Facebook | Instagram | Twitter

 

 

Informações  à imprensa: Catto Comunicação